Cunha chama afastamento de “absurdo”; deputados deflagram disputa pelo cargo

Reunido com assessores e aliados, Eduardo Cunha classificou seu afastamento de “absurdo”. “Uma liminar seis meses depois?”, questionou a interlocutores.

O afastamento já deflagrou a disputa pelo cargo de presidente da Câmara, mas há dúvidas sobre a sucessão.

Um especialista em regimento da Casa entende que uma nova eleição só se daria por meio de uma eventual renúncia do peemedebista; outros afirmam que um acordo com os partidos representados na Câmara viabilizaria um mandato-tampão.

Ninguém quer manter Waldir Maranhão (PP-MA), atual vice-presidente, assumindo a vaga de Cunha.

No páreo estão Jovair Arantes (PTB-GO), Rogério Rosso (PSD-DF), Hugo Motta (PMDB-PB) e André Moura (PSC-SE).