Corregedores do CNJ e do TSE cobram ações sobre juiz que atacou Gilmar

Cerco fechado O corregedor nacional de Justiça, João Otávio de Noronha, determinou, no início de janeiro, que o juiz Glaucenir Silva de Oliveira dê explicações sobre o áudio em que fez acusações ao ministro Gilmar Mendes, do STF, após ele conceder um habeas corpus a Anthony Garotinho.

Cerco fechado 2 Noronha também solicitou informações à Corregedoria-Geral da Justiça do Rio e ao Tribunal Regional Eleitoral do Estado. Quer saber se ambos estão apurando o caso. No despacho, deu prazo de cinco dias para o recebimento de todas as informações.

Cerco fechado 3 Determinação semelhante foi feita pelo ministro Napoleão Nunes Maia Filho, corregedor-geral da Justiça Eleitoral. Ele cobrou no dia 19 de janeiro um relato sobre “as providências que tenham sido tomadas” pelo TRE, “com a brevidade que o caso requer”.

Memória  No áudio que levou o ministro a fazer representações contra Glaucenir, o juiz do Rio diz a colegas que “Gilmar não tem vergonha na cara” e insinua que ele teria levado dinheiro para dar o habeas corpus a Garotinho. Logo após o episódio, ministros do STJ assinaram carta lamentando o comportamento de quem deprecia integrantes da Justiça.

Leia a íntegra do Painel aqui.