Advogado que obteve auxílio-moradia para Bretas e outros juízes do Rio é parente de alvo da Lava Jato

Árvore genealógica O advogado que obteve o auxílio-moradia para Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, é parente de um alvo da operação que foi acusado pelo MPF de corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro para o ex-governador Sérgio Cabral. Bruno Calfat atua para a Associação de Juízes Federais do Rio e defendeu a concessão do benefício para mais de uma dezena de juízes. Ele é casado com a filha do empresário Carlos Borges, condenado por Bretas a cinco anos de prisão.

Sem exceção Calfat advogou também para o revisor da Lava Jato no Rio, o desembargador Abel Gomes. Contratado e pago pela Ajuferjes, ele foi indicado a todos os magistrados que quisessem receber auxílio-moradia mesmo casados com quem já embolsa o benefício.

DNA Carlos Borges é dono do luxuoso condomínio Portobello, espaço que ficou conhecido por abrigar a “República de Mangaratiba”, grupo capitaneado por Cabral que usava o local para reuniões e festas na costa do Rio.

Parte pelo todo O empresário teria lavado quase R$ 3 milhões para o ex-governador e foi acusado de ser um braço do esquema. Bretas entendeu que ele atuou “de forma pontual” e, por isso, não deveria responder por corrupção e organização criminosa. Foi a segunda menor pena na operação Calicute.

Nada consta Procurado, o advogado disse que atua para a Ajuferjes desde 2009, “representando magistrados federais em inúmeras questões, sem nenhuma vinculação com processos de natureza criminal”.

Nada consta 2 Calfat afirmou ainda que jamais tratou com qualquer juiz “de tema relacionado a processo criminal”. “Assumi as causas da tese do auxílio-moradia antes da Lava Jato”, concluiu.

Sem interface O presidente da Ajuferjes, Fabrício Fernandes, disse que não sabia que Calfat era genro de Borges, mas defendeu a atuação dele. “Não vejo interferência porque ele não advoga na área criminal. O fato de existir o parentesco não interfere no nosso processo.”

Engajados Uma consulta no site do Senado contabilizava, até esta quinta (1º), 971.774 manifestações a favor e 4.973 contra o fim do auxílio-moradia para deputados, juízes e senadores.

Vira o disco No encontro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), dia 7, sindicalistas das seis maiores centrais do país pedirão que o presidente da Câmara tire da pauta a reforma da Previdência.

Bem-vindos No início da próxima semana, quando termina o recesso legislativo, os militantes irão ao aeroporto de Brasília para recepcionar os parlamentares.

No limite Deputados do PTB subiram o tom com o presidente do partido, Roberto Jefferson, sobre o impasse em torno da indicação de Cristiane Brasil (RJ) para o Ministério do Trabalho.

Para todo lado No grupo da sigla no WhatsApp, Sérgio Moraes (RS) afirmou que a legenda adotou “dois pesos e duas medidas”. “Pedro Fernandes foi rejeitado por Sarney e o PTB não moveu um dedo. Agora toda essa ‘fiasqueira’… Desculpa, Roberto, a corda está esticando para todos nós”, escreveu.

Nem nem A bancada cobra a substituição de Brasil e já fez chegar ao Planalto que o interino, Helton Yomura, está vetado. Ciente, Yomura mandou cessar qualquer boato sobre sua permanência.

Versão 2.0 A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, chamou dirigentes da Força e do Sindicato dos Metalúrgicos para falar sobre Lula. Eles sugeriram que o partido buscasse um vice de centro e a petista confirmou que Josué Alencar, filho do ex-vice do petista, José Alencar, é o mais cotado para o posto.


TIROTEIO

O governo está mais desesperado para aprovar a reforma da Previdência do que a Cristiane Brasil para ser ministra!

DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES (REDE-AP), que ironizou as últimas tentativas do Planalto de catapultar as mudanças nas regras da aposentadoria.


CONTRAPONTO

Tudo coisa nossa

Nesta quinta (1º), na abertura do ano Judiciário, cerca de 500 magistrados foram ao STF para tentar uma audiência com a presidente da corte, ministra Cármen Lúcia. Eles queriam pleitear a inclusão do reajuste de seus salários no Orçamento de 2018.

Sem qualquer sinal de que seriam recebidos, ficaram na área externa do Supremo. Ao chegar para a sessão, o ministro Ricardo Lewandowski foi informado da movimentação. Deixou o plenário e foi até os magistrados, que estavam ali há horas. Aplaudido, disse:

— Vocês são bem-vindos ao STF. Essa casa também é dos juízes!