‘Vou até o fim pelos meus direitos políticos’ diz Cristiane Brasil após STF barrar sua posse

À espera de uma definição do impasse jurídico que travou sua ida para o Ministério do Trabalho, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) afirma que “vai lutar até o fim” por seus “direitos políticos e de cidadã”.

Ela disse ao Painel que “continua firme no propósito” de assumir o comando da pasta. A declaração da deputada acontece no momento em que a bancada do PTB na Câmara começa a pressionar Roberto Jefferson, presidente do partido e pai da deputada, a indicar o nome de Alex Canziani (PTB-PR) para o posto se o Supremo não liberar a nomeação de Brasil até a próxima semana.

“Confio que o governo defenderá minha indicação e também no direito do presidente Temer de indicar quem escolher, conforme determina a Constituição. Serei leal ao governo até o fim”, afirmou Brasil, que vinha mantendo o silêncio diante da polêmica.

Indicada pelo presidente Michel Temer, ela teve a posse suspensa por decisões da Justiça de primeira e de segunda instância, mas autorizada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Nesta quarta (24), a PGR (Procuradoria-Geral da República) se posicionou a favor de que o STF (Supremo Tribunal Federal) analise os recursos que contestam a nomeação de Brasil para o Ministério do Trabalho. Logo depois, a AGU (Advocacia-Geral da União) se manifestou ao Supremo pela competência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em julgar o caso.

A ministra da AGU, Grace Mendonça, esperou a PGR se posicionar a favor para enviar a manifestação à presidente do STF, Cármen Lúcia. No documento, ela pede que a ministra julgue improcedente a reclamação  sobre a posse da deputada.

Leia notas do Painel aqui.