Doria inaugura campo bancado com recursos da gestão Alckmin e irrita aliados do governador

Com o chapéu alheio Um filme protagonizado por João Doria no domingo (14) causou polêmica entre aliados do governador Geraldo Alckmin. No vídeo, o prefeito posa diante de um campo de futebol em José Bonifácio, na zona leste de SP, e anuncia: “Entre outras atividades, estamos aqui inaugurando um campo de futebol. (…) Custo zero para a prefeitura, doado pela iniciativa privada”. Foi custo zero mesmo para o município, mas porque a obra foi feita por meio de um convênio do governo estadual.

Sujeito oculto No vídeo, Doria enaltece o trabalho do secretário municipal de Esportes e mostra que foi a José Bonifácio com uma claque de vereadores. Não há representante do governo Alckmin.

http://mais.uol.com.br/view/16381872

Escafedeu-se Antes da inauguração, havia uma placa que indicava “Obra do governo do Estado”, em parceria com a Ambev, por meio da lei de incentivo ao esporte. O custo da reforma foi de R$ 393 mil. A sinalização foi arrancada e não aparece no vídeo.

Jogo limpo Procurada, a assessoria da prefeitura diz que Doria foi inaugurar diversas estruturas do centro desportivo de José Bonifácio, que é da administração municipal. A passagem pelo campo, afirmou o órgão, se deu nesse contexto. A área, ressalta, já estava em uso.

Guerra Com a decisão de José Serra de não ser candidato, a disputa pelo apoio de Alckmin na sucessão estadual deve se concentrar entre Doria e Márcio França (PSB), o vice do governador.

Tudo dominado Aliados do prefeito paulistano não escondem a pré-campanha. Nesta quinta (18), o diretor-presidente da Cohab, Edson Aparecido, disse em ato com o prefeito e o governador que os paulistas dariam sua contribuição com “Bruno [Covas] à frente da cidade, Doria conduzindo os destinos de SP, e Geraldo, os do Brasil”.


Por fora França, por sua vez, segue firme na busca de apoios. Conversou com 427 prefeitos nos últimos meses e já fechou acordo com três siglas: PR, Solidariedade e Pros.

Caso pensado A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, demonstrou insatisfação com os companheiros de sigla que classificaram suas declarações sobre o julgamento do ex-presidente Lula como sem relevância ou ansiedade cibernética.

Caso pensado 2 A aliados, a senadora avaliou que o que chamou de “mansidão e frouxidão dos homens do PT” pode custar caro a Lula. Em entrevista ao site “Poder 360”, Gleisi disse que para prender o ex-presidente teriam que “matar gente”.

Dói no bolso No recurso contra a transferência de Sérgio Cabral (MDB-RJ) para Curitiba, a defesa do ex-governador dirá que a mudança trará prejuízo ao erário, uma vez que o emedebista “responde a vários processos no Rio” e terá que fazer viagens para ser ouvido.

Virou escracho Aliados de Cabral fazem ironia e dizem que a solução seria a Polícia Federal deixar uma aeronave à disposição dele.

Nova pedra Integrantes da base do presidente Michel Temer dizem que o impasse na Caixa recolocou a reforma da Previdência na UTI. Avaliam que as cobranças de siglas como o PP e o PR devem enterrar qualquer possibilidade de aprovar a proposta.

Leia sinais Enquanto Temer apanha por ter afastado quatro vices do banco, Rodrigo Maia (DEM-RJ) deu declaração contra a intervenção do Ministério Público. É a segunda vez nesta semana que ele faz gesto enfático aos políticos. Antes, defendeu a posse de Cristiane Brasil (PTB-RJ).

Minha gente O ministro interino do Trabalho, Helton Yomura, marcou reunião com todos os superintendentes regionais em Manaus. Ele pretende desbancar Cristiane Brasil e permanecer na pasta. Conta com o apoio de 15 dos 27 chefes estaduais.


TIROTEIO

Se ele acha mesmo que o programa Bolsa Família escraviza, então também deve acreditar que a fome é o que liberta.

DE JAQUES WAGNER (PT-BA), ex-ministro dos governos Dilma e Lula, sobre Rodrigo Maia ter dito que a principal bandeira dos governos do PT “escraviza”.


CONTRAPONTO

O meu, o seu, o nosso

Em 1990, a então ministra da Fazenda, Zélia Cardoso de Mello, foi ao “Show de Calouros” de Silvio Santos, no SBT, falar sobre o plano econômico do governo Collor. O dono da emissora fez uma série de perguntas enviadas por telespectadores. Uma era sobre o confisco da poupança.

— Olha, ministra Zélia, você está se comprometendo diante de milhões de brasileiros… Esse dinheiro vai ser devolvido mesmo? — perguntou Silvio.

— Vai ser, sem dúvida — respondeu ela, constrangida.

— Então vai ser devolvido o nosso dinheiro e o seu também! Porque a senhora também tem dinheiro retido, certo? — emendou o apresentador.