Com julgamento marcado, aliados e rivais apostam em condenação e dizem que só liminar salva Lula

Por Painel

O que será, que será? A celeridade com que o TRF-4 marcou o julgamento de Lula só ampliou a certeza tanto nas siglas de esquerda como nas de direita de que a corte deve condená-lo. Restam, agora, duas perguntas: 1)Até onde o petista está disposto a ir para fazer de seu calvário jurídico uma disputa política? 2)Algum ministro das cortes superiores irá se dispor a suspender os efeitos da decisão por meio de liminar, liberando o ex-presidente, hoje com 37% das intenções de voto, para ser julgado pelas urnas?

Mão única Integrantes do PT dizem que Lula não tem escolha a não ser radicalizar e levar seu embate com a Justiça às últimas consequências. Ele deve manter a estratégia de se registrar na disputa eleitoral e aguardar até o julgamento do último recurso possível para deixar a eleição.

Bolsa de apostas Quem conhece o TRF-4 acredita que os três desembargadores que vão analisar o caso Lula devem condená-lo, porém, com penas diferentes. Isso abriria espaço para mais um tipo de recurso, o embargo infringente.

A qualquer custo Em tese, mesmo preso Lula poderia se registrar na disputa. Em 2004, por exemplo, Antério Mânica, ex-prefeito de Unaí, conseguiu ser eleito enquanto estava na cadeia.

Precedente “Se for o caso, ele será proclamado eleito e chamado para a diplomação. Se vai comparecer ou não, é um problema do carcereiro”, disse, na ocasião, o ministro Sepúlveda Pertence, que presidia o TSE. Anos depois, Mânica acabou condenado a 100 anos.

E mais essa Um ex-ministro do TSE diz que a conclusão do julgamento de recursos também depende da velocidade dos advogados –que podem tentar postergar decisão final– e lembra que nenhum candidato pode ser preso a 15 dias da eleição.

Reação imediata Deputados do PT querem que a defesa do ex-presidente Lula vá ao Conselho Nacional de Justiça questionar o que eles têm chamado de “velocidade seletiva” na tramitação do caso do petista no TRF-4.

Dia D No dia em que o Tribunal Regional Federal vai debater a sentença de Lula (24 de janeiro de 2018), o presidente Michel Temer e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), participam de recepção e jantar do Fórum de Davos, na Suíça.

X

Guerrilha digital O último levantamento semanal da FSB Comunicação mostra que, dos 20 deputados mais influentes nas redes sociais, 15 são contrários à reforma da Previdência. Quem lidera o ranking é o presidenciável Jair Bolsonaro (RJ), que já disse não apoiar a proposta.


Trio parada dura O pré-candidato é seguido pelo delegado Francischini (SD-PR) e pelo deputado Décio Lima (PT-SC). Os dois também votam contra o projeto.

A fórceps Em reunião da bancada do PSD com Gilberto Kassab (Comunicações), foram contabilizados 25 votos pró-reforma. O ministro foi pressionado a convocar a executiva e fechar questão.

Caravana passa Parceiro histórico do PT, o PC do B começou a conversar com o vice-governador de SP, Márcio França (PSB). Eventual acordo abriria palanque para Manuela D’Ávila (RS), a pré-candidata dos comunistas ao Planalto, no Estado.

Caravana passa 2 França, por sua vez, reforçaria seu arco de alianças na tentativa de suceder Geraldo Alckmin.

Econômica Desde que foi instalada, em setembro, a CPI da JBS gastou R$ 24,2 mil –R$ 20 mil só em passagens para convidados ou convocados a depor. Presos, Joesley e Wesley Batista foram levados pela PF e não geraram custos.

Visita à Folha Ricardo Lewandowski, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), visitou a Folha nesta terça-feira (12). Estava acompanhado de Luiz Felipe Neves, assessor.


TIROTEIO

Minha eleição para uma das vice-presidências do PSDB é sinal de que o dilema ‘embarca-desembarca’ é assunto superado no tucanato.

DO MINISTRO ALOYSIO NUNES (RELAÇÕES EXTERIORES), sobre o que considera o fim do embate em seu partido a respeito da permanência no governo Temer.


CONTRAPONTO

Chutar cachorro morto

Durante a reunião de líderes dos partidos que compõem a Câmara, nesta terça-feira (12), o deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) decidiu provocar a base do governo.

Ele sugeriu ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que colocasse a reforma da Previdência em votação no plenário naquele mesmo dia. A ideia acabou entusiasmando alguns integrantes de siglas da oposição, que sabem que o governo ainda não tem votos para aprovar as mudanças nas regras da aposentadoria.

Diante do constrangimento entre os aliados do governo, Maia interrompeu os gracejos:

— Vamos passar ao próximo item.