Líderes do governo no Congresso defendem que Temer construa agenda com Câmara e Senado

Por Painel

Se não pode vencê-los Líderes do governo, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) querem que o Planalto abrace a construção de uma agenda feita “a seis mãos”, fruto de acordo do Executivo com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). A ideia é pinçar propostas já em tramitação e com apelo popular. A tese ganhou força com a constatação de que Michel Temer sobreviveu às denúncias, mas perdeu capital político.

A boa intriga Ribeiro (PP-PB) falou sobre o assunto com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), nesta terça (31). Defendeu que o governo centre esforços em uma “pauta cooperativa entre Executivo e Legislativo”.

Toma lá… Como o deputado, Jucá também prega um encontro entre Maia e Eunício logo após este feriado. Diz que é preciso correr contra o tempo e reconhece que há apenas mais um mês útil para o Congresso mostrar serviço.

… dá cá Com a agenda dos parlamentares definida, o governo poderia negociar a aprovação das medidas provisórias que viabilizam o ajuste fiscal.

Para a plateia Um grupo de deputados fechou a lista que gostaria de ver na pauta da segurança pública: a proposta que criminaliza embriaguez no trânsito, a que dobra a pena de traficante que usar menores e a que prevê desconto no imposto a quem doar a instituições que recuperam usuários de drogas.

Ao portador A deputada Eliziane Gama (PPS-MA) enviará nesta quarta (1º) um ofício à presidência da Câmara com as sugestões.

Novo alvo O ministro Torquato Jardim (Justiça) entrou na mira da base aliada. Motivo: a afirmação de que a PM do Rio está associada ao crime organizado e a defesa da prisão após condenação em segunda instância.

Venham O deputado Wadih Damous (PT-RJ) convidará, na próxima semana, os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando, coordenadores da Lava Jato em Curitiba, à CPMI da JBS.

Tire o cavalinho Edson Fachin, do STF, não está alheio ao movimento da CPMI para vinculá-lo a Joesley Batista e Ricardo Saud. Aliados avisam: se o objetivo é intimidá-lo, não vai dar certo.

Tucanocídio Um dos vice-presidentes da empresa contratada por Tasso Jereissati (CE) para fazer a comunicação do PSDB, a Ideia Big Data, chamou de golpe o impeachment de Dilma Rousseff. Publicou: “Não vai ter golpe. #FicaDilma”.

Tucanocídio 2 A Ideia foi alçada ao centro da rinha tucana porque um de seus dirigentes prestou serviços para o PT mineiro em 2014.

Tucanocídio 3 Uma das jornalistas que atua pela Ideia para o PSDB é sócia da nova empresa de comunicação da dona da Pepper, a agência suspeita de lavar dinheiro para o governador Fernando Pimentel (PT-MG).

Nada consta Representante da Ideia, Moriael Paiva diz que tem 24 anos de atuação e que já trabalhou para o PSDB. “Quem me contrata sabe o que entrego”. Para ele, a firma está sendo usada em uma guerra política.


Força do povo Líder do PT na Câmara e autor do projeto que regulamenta os aplicativos de transporte, Carlos Zarattini (SP) teve que desativar seu WhatsApp nesta terça (31), quando sua proposta foi apreciada no Senado. Ele recebeu centenas de mensagens a favor do Uber.

Nem vem Presidente da Uber, Dara Khosrowshahi tentou audiência com Eunicio Oliveira (PMDB-CE), mas o peemedebista não o atendeu. Aliados dizem que o horário inviabilizou a agenda. Outros afirmam que Eunício se irritou com leva de propagandas contra a votação bancada pelo aplicativo.

X

TIROTEIO

A queda do desemprego é pouco significativa, mas aponta recuperação. A criação de mais e melhores vagas depende das reformas.

DE ROBSON BRAGA DE ANDRADE, presidente da Confederação Nacional da Indústria, sobre dados do IBGE que mostram o recuo da taxa de desemprego.


CONTRAPONTO

O inimigo do meu inimigo…

O PSOL do Rio Grande do Sul realizou, no domingo (29), o seu congresso estadual. A reunião ocorreu na Câmara Municipal de Porto Alegre e a seção gaúcha do partido aproveitou para indicar Luciana Genro pré-candidata a presidente.

Na sala em frente, o PDT estadual também realizava sua convenção. Em meio ao entra e sai de militantes, o pré-candidato da sigla, Ciro Gomes, trombou com Genro. Fazia dez dias que os dois haviam discutido na internet.

— Esquece aquilo, Luciana, por favor — pediu Ciro.

— Vamos nos manter juntos só contra o Temer. Melhor –respondeu Luciana.