Parlamentares do PSDB quase saem no braço durante reunião da sigla na Câmara

Por Painel

Caldo entornou Deputados e senadores do PSDB quase saíram no braço durante reunião, na tarde desta terça-feira (31), na liderança do partido na Câmara. No encontro, os parlamentares deveriam conhecer e debater os detalhes de pesquisa encomendada pelo presidente interino da sigla, Tasso Jereissati (PSDB-CE), mas houve forte discussão, troca de ofensas e ameaças de agressão física.

Ponto de partida O levantamento encomendado por Tasso foi o estopim para o agravamento da crise. Trechos da pesquisa foram publicados pelo “Painel”, no domingo, pela repórter Thais Arbex.  O documento aponta forte desgaste do partido perante a opinião pública, mas mais do que o seu conteúdo, foram os realizadores da enquete que causaram incômodo em parte do PSDB.

DNA Tasso contratou o instituto Ideia Big Data para trabalhar para o PSDB durante sua gestão. Integrantes do PSDB de Minas, ligados ao senador Aécio Neves, afirmam que o vice-presidente da Ideia prestou serviços para o PT local em 2014 e que hoje a firma tem ligações com a Pepper, agência contratada pela campanha de Dilma e hoje investigada por suspeita de lavagem de dinheiro.

DNA 2 Os tucanos mineiros acusam o vice-presidente da Ideia de ter patrocinado baixaria digital e foram para a reunião munidos de prints de postagens feitos por ele contra nomes do PSDB, como o governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do partido à Presidência. Já a ala ligada a Tasso diz que o diretor da companhia prestou serviços para o PSDB em 2010 e para Sérgio Motta, homem forte do governo FHC.

Sucessão Tasso foi acusado de estar usando a máquina administrativa do partido para conseguir se reeleger presidente do PSDB. O senador se irritou e não quis responder aos questionamentos se era ou não candidato na disputa pela comando da sigla, que ocorrerá em dezembro.

Fratura exposta As discussões subiram de tom e aliados de Tasso chegaram a gritar que não ficariam “do lado de corrupto”. Há forte crítica na ala ligada ao cearense ao apoio do PSDB ao governo Michel Temer e à permanência de Aécio como presidente da sigla, ainda que licenciado do posto. Integrantes do PSDB de Minas deixaram a reunião após o primeiro bate-boca. As discussões continuaram.

Leia mais notas do Painel aqui.