Cunha diz que Funaro usou informações de sua proposta de delação em acordo e prepara ofensiva

Por Painel

Devolva-me Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vai à Justiça tentar anular a delação de Lúcio Funaro, seu antigo operador. O ex-deputado disse a aliados que trechos de sua proposta de colaboração –rejeitada pela PGR– foram enxertados no acordo do doleiro. Cunha garantiu a esses interlocutores que pode provar que Funaro narrou fatos aos quais não tinha acesso suficiente para conhecer em detalhes. A narrativa que Cunha quer pôr em xeque é peça-chave da nova denúncia contra Michel Temer.

Ao trabalho O ex-deputado já começou a reunir o material que vai dar base ao seu questionamento à colaboração de Funaro. Procurada, a defesa do corretor disse que não comentaria assunto relacionado ao acordo e que só se manifestaria em juízo.

Octógono Eduardo Carnelós, criminalista que assumirá a defesa do presidente Michel Temer na nova denúncia, é reconhecido como um homem “aguerrido” e “brigão” em suas causas.

Road show A advogada Fernanda Tórtima, que atuou para a J&F e foi flagrada pela Folha em conversa com um procurador da equipe de Raquel Dodge, esteve com outros operadores do direito nesta semana.

Nada consta Tórtima distribuiu explicações sobre sua atuação para a J&F e fez perguntas sobre o andamento da CPI da JBS. Gravada por Joesley Batista após uma reunião na PGR, disse não haver nada de comprometedor no áudio, cujo sigilo foi decretado pelo ministro Edson Fachin.

Em suas mãos A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, tem poucos dias para decidir se enviará ao Supremo ações contra a medida provisória que garante status de ministro a Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência da República).
Garantias A MP deve entrar na pauta do plenário da Câmara na próxima semana e, se aprovada, vira lei.

Quase lá A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) está perto de concluir os relatórios a respeito da suposta prática de manipulação de mercado e uso indevido de informações privilegiadas em operações financeiras pelos irmãos Batista.

Junta tudo Os documentos vão integrar o relatório final da PF sobre o caso, previsto para outubro.

Errar duas vezes é… O líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP), avalia liberar a bancada do partido na votação da segunda denúncia contra Michel Temer. Na primeira acusação, orientou os deputados a optarem pelo afastamento do presidente. O placar foi de 22 votos a favor e 21 contra o peemedebista.

Para a plateia No jantar com integrantes do DEM, nesta quinta (21), o prefeito de SP, João Doria, amenizou o tom de enfrentamento ao PT e afirmou que o caminho certo para as próximas eleições é o centro.

Teste vocacional No encontro, Doria passou por espécie de sabatina. Foi questionado sobre saúde, agronegócio, Nordeste e emprego.

Save the date Segundo participantes do jantar, o prefeito pediu aos convidados que levassem para casa o menu, que tinha a data da reunião. A peça, disse, marcaria o dia em selaram uma aliança “para o futuro do Brasil”.

Sai dessa Em Nova York, pouco antes de encontro com executivos do mercado financeiro organizado pelo Bradesco, o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) foi abordado por um banqueiro que defendeu seu nome para a vice em uma chapa liderada por Doria ou Geraldo Alckmin. “Essa possibilidade não existe”, respondeu.

Menos um O deputado Bebeto (BA) avisou ao PSB que vai trocar a sigla pelo Solidariedade. Entre os socialistas, era aliado do presidente da legenda, Carlos Siqueira.


TIROTEIO

Triste ironia: acusado de liderar organização criminosa, Temer autoriza o uso de forças para combater organizações criminosas.

DO DEPUTADO CHICO ALENCAR (PSOL-RJ), sobre Michel Temer ter autorizado o envio de 950 homens das Forças Armadas para conter a violência no Rio.


CONTRAPONTO

Bom filho a casa torna

Presidente da República em exercício na quarta-feira (20), Rodrigo Maia (DEM-RJ) decidiu ir à Câmara, a Casa que comanda, dar uma volta durante o dia.
Enquanto recebia os cumprimentos de vários deputados no plenário, ouviu de um parlamentar:

— O senhor é o presidente da República que mais vem ao Congresso!

Maia sorriu e respondeu:

— Pelo menos isso, né?

Em seguida, arrematou:

— Eu tinha que ter alguma coisa para entrar no Guinness Book!