Procurador que foi preso será chamado para depor à CPI da JBS para falar sobre Marcello Miller

Por Painel

Cerco fechado A relação de Rodrigo Janot com o ex-procurador Marcello Miller deverá ser descortinada no Congresso por outro integrante da PGR que teve problemas com a Lava Jato: Ângelo Goulart Villela. Integrantes da CPI da JBS garantem que ele está disposto a falar. Preso após a delação da J&F, Villela nega ter cometido crime. Hoje em liberdade, pode detalhar bastidores de negociações e da convivência de Miller com a força-tarefa. Há outro desafeto de Janot na lista de convocações: Eugênio Aragão.

Decifra-me Ex-procurador e ex-ministro da Justiça, Aragão deixou a PGR fazendo severas críticas à gestão de Janot — de quem já foi aliado. Sondado por parlamentares, disse que topa ir à comissão. Avisa que pretende falar a respeito da atuação do MPF e da “metodologia abstrata que rege as delações”.

Holofotes 2 Quem está montando o cronograma da CPI quer que Villela seja o primeiro a prestar depoimento.

Cartas na mesa Embora a comissão ainda esteja no início, parlamentares já indicam seu objetivo: regulamentar as delações. O relator Carlos Marun (PMDB-MS) defende “mais transparência” nos acordos. “Ou abrimos o sigilo de tudo ou impomos penas rigorosas para os vazamentos”.

Todos os lados Nesta quarta (13), a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara aprovou requerimento para que o ex-procurador Marcello Miller preste depoimento sobre sua atuação no acordo de colaboração da J&F.

Geni O ex-presidente Lula deixou claro em depoimento ao juiz Sergio Moro que também vê na atuação de Miller um flanco para desacreditar denúncias que pesam contra ele. O ex-procurador participou da delação de Delcídio do Amaral, que atribui crimes ao petista.

Não para A PGR fechou a colaboração do ex-superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná Daniel Gonçalves, apontado como chefe de esquema investigado na Operação Carne Fraca. A delação, que atinge o PMDB, será encaminhada ao ministro Dias Toffoli, do STF.

Sou da paz Após ser criticada por colegas, a presidente do STJ, Laurita Vaz, enviou nesta quarta (13) um ofício aos ministros. Disse esperar que “a serenidade volte a habitar os corações, sem mágoas, nem rancores”.

SOS A defesa dos irmãos Batistas apresentará habeas corpus nesta quinta (14). Dirá que não há fundamento para a prisão preventiva de ambos no caso que investiga a negociação de ações da JBS às vésperas do estouro da delação.

Furada A prisão de Wesley Batista e a entrada da PF e da Justiça Federal nas investigações sobre a JBS foi vista no Congresso e no Judiciário como um indicativo de que, se havia um cordão sanitário para restringir os danos causados pelo revés na delação da J&F, ele se rompeu.

Decidido está Ao deixar o ponto mais polêmico do julgamento que opõe Michel Temer e Rodrigo Janot para a próxima semana, o Supremo deu indicativo de que, ainda que o chefe o MPF apresente nova denúncia contra o presidente, a tendência da corte é não enviar o caso ao Congresso até que haja veredicto.

Quero saber O Ministério Público de São Paulo abriu um procedimento preparatório de inquérito para investigar eventuais irregularidades nas viagens do prefeito da capital, João Doria, pelo país.

Motivação A disposição do MP responde a uma ação apresentada pelo PT, que questionou viagem do tucano a Palmas em agosto.

Para todos Doria e o governador Geraldo Alckmin, ambos presidenciáveis, vão participar de congresso do Solidariedade em São Paulo, dia 22. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também confirmou presença.

Visita à Folha Carlos Henrique Flory, diretor-presidente da SP-Prevcom (Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo), visitou a Folha nesta quarta-feira (13). Estava acompanhado de Fabiana Ishikawa, coordenadora de comunicação, e Jaime Soares de Assis, assessor de comunicação.


TIROTEIO

Só faltam duas prisões para que todos aqueles que armaram contra o país paguem por seus crimes: Marcello Miller e Francisco de Assis.

DO ADVOGADO GUSTAVO GUEDES, que defende o presidente Michel Temer no TSE, sobre a prisão preventiva do empresário Wesley Batista, nesta quarta (13).


CONTRAPONTO

00

A mosca que pousou em sua sopa

Enquanto recepcionava sindicalistas e empresários para um almoço, na terça-feira (12), no Palácio do Jaburu, o presidente Michel Temer era incomodado por uma mosca que voava em volta de sua cabeça .

Diante das várias tentativas de Temer de espantá-la, o deputado Paulinho da Força (SD-SP), presidente da Força Sindical, não perdeu a chance:

— Essa é a mosca “Janot”, que insiste em te perturbar.

Tenso com a expectativa de ser denunciado pelo procurador-geral, Rodrigo Janot, Temer sorriu amarelo.