Em apoio a Doria, siglas que o cortejam ameaçam romper com o PSDB se ele não for candidato

Por Painel

O caminho das pedras Dirigentes de siglas que têm conversado com João Doria se dispuseram a colocar o peso de suas legendas a favor do prefeito na queda de braço que ele trava com o governador Geraldo Alckmin pelo posto de presidenciável do PSDB. O PMDB, por exemplo, disse a ele que a escolha do candidato da centro-direita deve ser “coletiva” e antecipou que só fará uma aliança se sentir que o nome dos tucanos “tem chance de vitória” e estofo para encarar uma eleição “de enfrentamento”.

Deixe-me No tom desses discursos está a explicação para a pressa de Doria em tornar-se um nome conhecido pelo eleitorado nacional.

Vacinados Os alckmistas dizem que já estão preparados para o crescimento do prefeito nas sondagens eleitorais e afirmam que este não será fator determinante para a escolha do candidato.

Com quem andas O grupo de Alckmin também começa a afirmar que a sede de Doria em derrubar o padrinho político pode minar sua imagem. Lembram que a pecha de traidor costuma ser uma âncora na política.

Falem por mim Cerca de 400 prefeitos escolheram 70 deputados para atuar no Congresso como uma bancada de defesa dos interesses de capitais e cidades médias. Na quarta (30), as prioridades dos municípios serão apresentadas aos parlamentares.

Sou você O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comandará o grupo. O artífice da bancada dos municípios é Jonas Donizette (PSB), de Campinas, presidente da Frente Nacional de Prefeitos.

Em memória A reaproximação do PT com o PSB passa pela ministra do TCU Ana Arraes. A mãe do ex-governador Eduardo Campos está disposta a antecipar sua aposentadoria no tribunal e disputar a eleição de 2018.

Vamos juntos Nesse cenário, petistas defendem que o partido apoie a candidatura de Ana Arraes ao Senado ou até mesmo que a sigla a convide para a vaga de vice na disputa pela Presidência.

Descrédito Integrantes das duas campanhas que disputam o segundo turno das eleições deste domingo (27) no Amazonas apostam que nenhum dos candidatos conseguirá chegar a um percentual de votos superior ao de brancos, nulos e abstenções.

Prepara O grupo que ficou desapontado com a escolha de Antônio Avelino Rocha de Neiva para a presidência da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba) diz que o governo Michel Temer engoliu um pequeno sapo para fazer a nomeação.

Soma dos fatores Pai de um deputado estadual do PSB no Piauí, Rocha de Neiva não poderia assumir a direção de uma empresa pública, segundo a Lei das Estatais. Para ficar com o posto, disse que o faturamento da companhia ficou abaixo de R$ 90 milhões, patamar que a deixaria fora da norma.

Ginástica A Lei das Estatais excetua de seu alcance empresas públicas que tiverem “receita operacional bruta” inferior a R$ 90 milhões. A diferença técnica foi ressaltada pelos descontentes em recado ao Planalto.

É o amor O ministro Ricardo Barros (Saúde) disseminou em grupos de WhatsApp mensagens em que faz propaganda pela candidatura de sua mulher, Cida Borghetti, ao governo do Paraná.

Bem-vindos A Corregedoria do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) vai apresentar até novembro proposta para reformular o Cadastro Nacional de Adoção. Hoje, 7.926 crianças estão na fila de espera por uma família.


Diversidade O plano é mudar o sistema de buscas de modo que ele possa exibir um número maior de perfis de crianças, em vez de listar apenas os que se encaixem perfeitamente na demanda.


TIROTEIO

O decreto reflete uma política econômica atrasada e se soma a outras medidas deste governo de destruição da biodiversidade.

DE RACHEL BIDERMAN, diretora do World Resources Institute no Brasil, sobre a extinção da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), na Amazônia.


CONTRAPONTO

Nem Freud explica

O senador José Serra (PSDB-SP) foi ao plenário da Câmara na quinta (24) pedir voto contra a medida provisória que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP). O gesto deixou a bancada do PSDB tensa, especialmente porque alguns tucanos acompanharam a orientação do paulista. Foi o caso de Jutahy Júnior (PSDB-BA). A oposição adorou.

— Quero parabenizar o Jutahy pelo gesto corajoso desta noite — disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).

— Pode ser uma aliança: Serra e Lula — brincou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

— A cada dia estou mais convencido de que o PSDB precisa de psiquiatra! — fechou Sílvio Costa (PT do B-PE).