Parlamentares defendem que parte da verba de emendas vá para o fundo que financiará campanhas

Por Painel

Por eles e para eles Para tentar aprovar a reforma política na Câmara em até dez dias, a base do governo no Congresso fez uma versão enxuta do projeto. O novo texto tem cinco pontos, mas não há acordo em torno de detalhes de todos eles. Parte dos articuladores quer que uma fatia do dinheiro reservado para emendas de bancada seja usada para engordar o fundo que será criado para financiar campanhas. Deputados resistem. A mudança diminuiria o volume de recursos que conseguem injetar nas bases.

Estica e puxa A discussão sobre a forma de composição do fundo de financiamento tomou boa parte de reunião na casa do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), na noite desta terça-feira (8).

Como elege? Outro ponto sensível foi a tentativa de garantir no texto a implantação do distritão em 2018 — modelo em que só os deputados mais votados em seus Estados se elegem — com transição para o distrital misto, que mescla escolhidos por lista partidária e os mais votados — a partir de 2020.

A paz reina Há consenso sobre três pontos: cláusula de barreira, fim das coligações proporcionais a partir de 2020, e mudanças nas normas de propaganda eleitoral –mais tempo na TV e novas regras para a internet.

Venham a mim Segundo cálculos de dirigentes do DEM, ao menos 13 parlamentares trocarão o PSB pelo Democratas após as mudanças na regra eleitoral. Os novos filiados virão de oito Estados.

Cabeça O economista Marcos Lisboa é um dos nomes mais requisitados pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a ajudar na formulação de documento que se assemelha a um programa econômico para o país.

Segura essa A Federação Nacional dos Médicos vai provocar a Comissão de Ética da Presidência a se manifestar sobre as polêmicas do ministro Ricardo Barros (Saúde), em especial a afirmação de que a categoria precisava parar de “fingir” que trabalha.

Hora da verdade Os próximos dez dias serão decisivos para o desfecho da proposta de delação do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele já entregou os anexos de seu relato à PGR e, agora, os procuradores e o peemedebista se preparam para a fase final das negociações.

Guerra surda Não há mais dúvida no tucanato de que o prefeito de São Paulo, João Doria, trabalha para se firmar como o nome para o Planalto em 2018. Ele tentará impor sua candidatura consolidando-se como o mais competitivo nas pesquisas.

Boomerang Pouco antes de ser alvo de uma ovada, o prefeito tucano enviou a grupos no WhatsApp texto de um jornal local que dizia: “Doria é recebido com gritos de ‘meu presidente’ em Salvador”.

Apetite O ministro Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), que acompanhou Doria na viagem a Salvador, brincou, depois de ouvir o inflamado discurso contra petistas: “Você desceu na Bahia e incorporou Xangô”.

Não correrá só O governador Geraldo Alckmin não está disposto a assistir de camarote a ofensiva de seu afilhado político. Aproveitará viagem a Brasília, nesta quarta-feira (9), para jantar na casa do senador Ciro Nogueira, presidente do PP, com outros cardeais do partido.

Visitas à Folha Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, visitou a Folha nesta terça-feira (8), onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Renato Andrade, assessor especial.

Wilson Pollara, secretário municipal de Saúde, visitou a Folha nesta terça-feira (8). Estava acompanhado de Lucas Tavares, chefe de gabinete da Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Paulo, e Shirley Nara, assessora de comunicação da Secretaria de Saúde.


TIROTEIO

Todo diálogo deve ser colocado num nível de racionalidade equilibrada. A frase não condiz com a postura isenta de um magistrado.

DE CLÁUDIO FONTELES, ex-procurador-geral da República, sobre Gilmar Mendes, do STF, chamar o chefe do MPF, Rodrigo Janot, de “desqualificado”.


CONTRAPONTO

Alhos e bugalhos

Um bate-boca no Conselho de Ética do Senado, nesta terça (8), interrompeu a sessão de votação da denúncia contra senadoras da oposição que ocuparam a Mesa Diretora da Casa, dia 12 de julho, para tentar impedir a votação da reforma trabalhista. Após a confusão, o presidente do colegiado, João Alberto Souza (PMDB-MA), tentou retomar os trabalhos. Ainda nervoso, na hora de chamar

Lasier Martins (PSD-RS) para votar, se confundiu e anunciou no microfone o nome de “Lavoisier”, químico francês.
A gafe gerou gargalhadas.

— Ainda não sou ele, presidente, aquele do ‘nada se perde, tudo se transforma’! — arrematou!