Doria entra com queixa-crime contra Ciro Gomes, que o chamou de ‘farsante’ e lobista

Por Painel

Lei do retorno O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), apresentou uma queixa-crime por calúnia, difamação e injúria contra Ciro Gomes (PDT-CE), pré-candidato à Presidência. Na ação, Doria lista palestras e entrevistas em que Ciro o chamou de “farsante” e lobista. O ex-ministro e ex-deputado também disse em mais de uma ocasião que o prefeito fez fortuna “às custas de dinheiro público”.

Fala o que quer Doria é representado no caso pelo escritório Fernando José da Costa. A petição apresenta dezenas de frases ditas por Ciro, inclusive em entrevista à Folha. Ao jornal, o ex-ministro disse que Doria, quando presidente da Embratur, foi criticado por uma propaganda “com bunda de mulher na praia, estimulando claramente o turismo sexual”. A peça traz também declarações de Ciro em uma universidade, em Lisboa, em abril deste ano. Na ocasião, o cearense sustentou que o prefeito teria ficado “rico fazendo tráfico de influência com os governos tucanos”.

Ouve o que não quer Os advogados de Doria sustentam que Ciro ofendeu sua honra como indivíduo, mas também como “prefeito, gestor, marido e pai de família, colocando em descrédito toda a sua trajetória e vida profissional”. A banca chama de “delirante” a afirmação de que Doria teria estimulado turismo sexual e diz que as declarações de Ciro “se amoldam, perfeitamente, às condutas descritas nos tipos penais” de calúnia, injúria e difamação.

Assim não dá Os representantes do prefeito ressaltam ainda que Ciro teria cometido crime de injúria ao afirmar, em entrevista à “TV Gazeta”, que Doria está “sempre engomadinho com o ‘beiço’ cheio de ‘botox'”. “Não importa se o querelante [Doria] é ou não engomadinho, se de fato possui beiço cheio de botox, o que importa é a intenção clara de injuriar a dignidade e o decoro de João Doria Júnior”, diz a petição. A queixa foi registrada na Justiça de São Paulo.

Leia a íntegra da coluna Painel aqui.