Maia reclama de cobranças e diz a aliados que se sente ‘injustiçado’ pelo Planalto

Por Painel

Laços desfeitos O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), manifestou profundo incômodo com a desconfiança de aliados de Michel Temer sobre suas atitudes. Maia confidenciou a pessoas próximas que se sente “injustiçado” e que o governo cobra uma posição pró-ativa num momento em que ele opta pela institucionalidade. Queixou-se especialmente do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. O democrata confidenciou que não saiu feliz da conversa que teve com Temer, neste domingo (9).

Último nó Ao desfiar seu novelo de críticas, Maia poupou Michel Temer. Aliados do presidente da Câmara afirmam que o único elo ainda preservado é a relação pessoal com o peemedebista.

Muda que passa Parlamentares e ministros passaram a noite deste domingo (9) estudando, com Michel Temer, opções para garantir a vitória na análise da denúncia na CCJ. Dizem ter chegado a 41 votos a favor do presidente, contabilizando trocas que serão feitas por partidos aliados nos próximos dias.

Será mesmo? Apesar do tom do Planalto, deputados aliados fazem um diagnóstico menos otimista. Ala ainda afeita ao presidente diz que ele conta hoje com apenas 30 apoios no colegiado.

Peso real O resultado da CCJ não tem caráter determinante para o processo contra Temer, mas é visto na Câmara como um forte indicativo das chances reais de sobrevida do governo no plenário.

Sem pular na cova Uma derrota no colegiado indicaria o grau de deterioração do apoio a Temer, favorecendo a debandada de deputados que são da base, mas não querem ficar com o lado perdedor.

Plano A A tendência hoje é que o governo atrase a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias. Se ela for aprovada, o Congresso entra em recesso. Temer quer liquidar a denúncia antes disso.

Poupar ninguém Em sua proposta de delação, o ex-deputado Eduardo Cunha fala sobre integrantes do Judiciário do Rio. O foco, porém, são mesmo Michel Temer e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência)

Maratona Lúcio Funaro se esforça para concluir sua proposta de delação até o próximo dia 14, data marcada para seu retorno da carceragem da PF para a Papuda.

A sombra O fortalecimento de Rodrigo Maia no xadrez político assustou ala do PSDB paulista. Expoentes do partido no Estado dizem que é o momento de pensar se, estando ruim com Temer, o quadro não pode ficar pior –eleitoralmente, inclusive– com a ascensão do presidente da Câmara ao Planalto.

Não é para tanto Essa ala do tucanato discorda da fala do presidente interino do partido, Tasso Jereissati (PSDB-CE), que apontou Maia como ponte segura para a travessia até 2018. Dizem que, do ponto de vista de consolidação da estabilidade econômica, o democrata ainda deixa a desejar.

Voltei O senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi convidado e estuda participar da reunião que o PSDB fará para tratar da crise, nesta segunda (10), em São Paulo.

Remediado está O governo já admite que o parecer do relator do caso, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), será pela aceitação da denúncia contra Temer. Pior: recebeu informações de que ele não se limitará a um texto técnico, mas fará considerações políticas sobre o caso.

Eterna gratidão Segundo aliados, Zveiter tem enorme gratidão a Jorge Picciani (PMDB-RJ), presidente da Assembleia Legislativa do Rio.

Memória viva Picciani assumiu a coordenação da campanha de Zveiter à Prefeitura de Niterói, em 2000, às vésperas do primeiro turno, quando estava em terceiro lugar. Com Picciani, conseguiu ir ao segundo turno.


TIROTEIO

A denúncia é inepta porque não indica com precisão o ato que seria o delito de corrupção. É precipitada. Carecia de mais investigações.

DE CARLOS VELLOSO, ex-presidente do STF, sobre as acusações feitas pelo procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, contra Michel Temer


CONTRAPONTO

Em reunião da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara, em maio, o ministro das Comunicações, Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab (PSD), participou de um debate sobre o lançamento do satélite de Defesa e Comunicações Estratégicas. Após receber elogios pela iniciativa, Kassab brincou com os deputados:
— Vale a pena dizer que o próximo satélite terá um aperfeiçoamento — disse.
— Um compartimento no qual cada deputado vai poder enviar quatro pessoas. Vou fazer atendendo a alguns pedidos aqui. Foi uma falha nesse primeiro — concluiu, levando os parlamentares às gargalhadas.