Temer vai questionar interpretação da PGR e perícia da Polícia Federal em áudio de Joesley

Por Painel

Tudo ou nada O Planalto vai apostar em diversas frentes para tentar desqualificar as denúncias de Rodrigo Janot contra Michel Temer. A defesa do presidente vai questionar a interpretação da PGR sobre trechos da conversa entre ele e Joesley Batista, para sustentar que, sem fatos, o procurador-geral se apoiou em ilações. Em outra ofensiva, vai levantar dúvidas sobre a perícia da PF que descartou edição no áudio. Ricardo Molina, que fez laudo para o peemedebista, será escalado para falar do assunto.

Tu o dizes Aliados de Temer também vão confrontar o grampo de Joesley Batista com entrevista que o empresário concedeu à “Época”. À publicação, disse que o presidente não tinha cerimônia para pedir dinheiro. Mesmo assim, sustentam, não falou abertamente de valores quando esteve no Jaburu.

Aguardar e conferir Aliados de Temer no Congresso marcaram conversas a partir desta quarta (28) para reavaliar a situação do presidente, já com a denúncia oferecida por Rodrigo Janot em mãos.

Álibi Na noite deste domingo (25), às vésperas da apresentação da denúncia da PGR por corrupção passiva o presidente telefonou a senadores. Pediu apoio para a reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça e no plenário do Senado.

Anéis e dedos Operadores do mercado financeiro dizem que investidores aguardam o arrefecimento da crise e só esperam uma reforma da Previdência substancial em 2019. O apoio do PIB ao presidente será revisto se, para ficar no cargo, ele abrir a torneira dos gastos.

Amado mestre Um grupo de deputados do PSDB desembarcou nesta segunda (26), em São Paulo, para falar com o governador Geraldo Alckmin. Eles pediram ao presidenciável atitude mais incisiva sobre a manutenção do apoio a Temer.

Bom para quem? Dirigentes do PSDB chamaram de “constrangedor” o artigo publicado por Fernando Henrique Cardoso na Folha. Dizem que só dois nomes seriam beneficiados por eleição antecipada: Lula e Jair Bolsonaro.

Fui! Pessoas próximas dizem que, ao pedir um gesto de “grandeza” de Temer, FHC quis deixar claro que o peemedebista não deve mais contar com ele. A ala que quer o desembarque comemorou.

Para a plateia O presidente da OAB, Cláudio Lamachia, cobra que o procurador Deltan Dallagnol apresente os nomes dos que o contrataram para palestras. “A sociedade tem o direito de saber quem são e quanto ele recebe por elas. O princípio da transparência vale para todos.”

O dia seguinte A projeção de Lula no último Datafolha deu fôlego aos que pregam a politização do embate com o juiz Sergio Moro. A ordem é reforçar o discurso de que não há provas para condenar o petista e que ele é alvo de perseguição. A tese colou no eleitorado lulista.

Vermelhou Ao comentar a pesquisa com aliados, Lula brincou que vive bom momento. A notícia da liderança nos cenários de primeiro turno veio logo após o Corinthians assumir distância recorde dos adversários na dianteira do Brasileirão.

Visitas à Folha Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), visitou a Folha nesta segunda-feira (26), onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Giselly Siqueira, chefe da assessoria de comunicação do TSE.

Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), visitou a Folha nesta segunda (26). Estava acompanhado de Guilherme Castanho Franco Montoro, chefe do departamento Regional Sul, Roberto Carvalho e Marcelo Kieling, assessores da presidência.


TIROTEIO

O engenheiro que construiu o Titanic disse que nem Deus o afundaria. Agora resta saber quem ficará no navio naufragado do Temer.

DO DEPUTADO JULIO DELGADO (PSB-PE), sobre a fala do presidente nesta segunda (26), antes de ser denunciado, de que “nada destruirá” o governo.


CONTRAPONTO 

Se ela dança, eu danço

Em audiência da Comissão de Direitos Humanos, na semana passada, o senador Romário (PSB-RJ) pediu a palavra para incluir um requerimento na pauta.

–Existe um grupo com mais de 20 mil assinaturas para criminalizar o funk, e eu, como carioca nato e eterno funkeiro, faço questão de defender essa bandeira aqui.

O senador Paulo Rocha (PT-AC) não perdeu a oportunidade e perguntou:

— O senhor dança?

–Também! — respondeu Romário, aos risos.

O pedido de audiência para discutir o tema foi aprovado e inclui convites a artistas como Anitta.