Fachin deixa assinada no STF ordem para que relatório da PF seja enviado imediatamente à PGR

Por Painel

Via expressa Edson Fachin, do STF, deixou assinada em seu gabinete, nesta sexta (23), ordem que determina a remessa imediata do relatório da Polícia Federal sobre o grampo de Joesley Batista com Michel Temer para a PGR. Além da perícia na gravação feita pelo empresário, o documento trará avaliação sobre a suspeita de que o presidente incorreu em obstrução de Justiça. O gesto dará à equipe de Rodrigo Janot tempo para incluir até terça (27), na denúncia contra Temer, dados colhidos pela PF.

Jogada casada Os procuradores que atuam no inquérito contra Michel Temer querem usar o laudo feito pela PF para dar mais força à denúncia contra o peemedebista. Como a perícia conseguiu limpar trechos antes inaudíveis, acreditam que o laudo da corporação poderá trazer elementos novos para o caso.

Triplo mortal A PGR vê subsídios para acusar Temer de três crimes: corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa. Tentados a fatiar a denúncia, apresentando três peças em vez de uma, os procuradores aguardam a chegada do relatório da PF para bater martelo sobre a melhor estratégia.


Light O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já exibe os resultados da restritiva dieta que iniciou há alguns meses para perder 15 quilos. Visivelmente mais magro, disse a aliados que quer deixar a chefia da PGR, em setembro, com a mesma silhueta que exibia quando assumiu o posto, em 2013.

Rebobina Diante da conclusão da perícia da PF de que não houve edição na gravação da conversa de Joesley Batista com Michel Temer, a defesa do presidente insistirá na tese de que um áudio com 180 interrupções não pode ser considerado válido.

Vale tudo Os advogados do presidente também argumentarão que a cadeia de custódia da prova não foi preservada. Ou seja, ao entregar à Justiça o gravador original depois do início do processo e modificar o nome do arquivo, o dono da JBS não manteve a integridade do áudio.

Reforço Às vésperas da apresentação da denúncia contra Michel Temer, artistas liderados por Paula Lavigne preparam forte mobilização nas redes sociais para cobrar deputados a votarem contra o peemedebista na Câmara. A oposição precisa de 342 votos para aprovar a denúncia.

Cavalaria digital O grupo planeja lançar o slogan “Vote pelo Brasil” para pressionar os parlamentares a autorizarem a ação penal.

Sobreviventes Hélio José (PMDB-DF), que já perdeu três cargos após votar contra a reforma trabalhista, ainda mantém outros três indicados no governo federal. O Planalto avaliará o comportamento do senador para decidir se eles serão demitidos.

No limite Mesmo os tucanos que trabalharam pela permanência do PSDB no governo Temer já admitem que não dá mais para segurar os dissidentes. A expectativa é que logo depois da votação da reforma trabalhista no plenário do Senado, o partido desembarque de vez.

Bumerangue A pressão das siglas da base para que Temer se antecipe e desaloje os tucanos irritou ainda mais a ala que defende a ruptura. Hoje, 15 dos 46 deputados não votam com o governo.

Não mexa aí Senadores do partido afirmam que uma eventual retaliação do governo a Eduardo Amorim (PSDB-SE), que votou contra a reforma trabalhista em comissão do Senado, soaria como um ultimato pelo rompimento.

E não é? O PSDB diz que a exoneração de indicados pelo senador a cargos no governo poderia passar a impressão de que a sigla é fisiológica.

Sem trégua Os tucanos já esperam que o PSOL vá ao Supremo contra o arquivamento do processo de Aécio Neves (PSDB-MG) no Conselho de Ética do Senado.


TIROTEIO

Lugar de procurador da República não é em púlpito de igreja, palco de show ou em congressos para se vangloriar de seus feitos.

DO EX-MINISTRO EUGÊNIO ARAGÃO, sobre a venda de palestras de Deltan Dallagnol, que será apurada pela Corregedoria Nacional do Ministério Público.


CONTRAPONTO

Seleção Canarinho

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, foi convidado pela XP Investimentos para participar do “Expert 2017”, em São Paulo.

Em palestra reservada a investidores, o magistrado falou sobre o papel do STF no atual cenário político e da responsabilidade da corte diante da crise.

No início da fala, citou a visibilidade que o Judiciário ganhou nos últimos tempos e ressaltou que as transmissões de julgamentos pela TV Justiça contribuíram para isso. Por fim, convidou os presentes a uma reflexão:

— Tentem lembrar o nome dos onze titulares da seleção e depois o dos ministros do STF e vejam o que é mais fácil!