Temer está disposto a alongar processo no TSE e usará ‘todos os recursos possíveis’, avisam aliados

Por Painel

Longo inverno Aliados de Michel Temer enviam um recado claro aos que apostam num desfecho rápido para a ação que pode cassar seu mandato no TSE. Dizem que o presidente está disposto a usar “todos os recursos jurídicos possíveis” para prolongar o julgamento. O governo afirma que não haverá folga no “embate” e calcula: se o caso se arrastar até outubro, Herman Benjamin, relator do processo, terá que deixar a corte. O Planalto aposta que ele vota contra Temer e já tem em sua substituição uma meta.

Quem entra Com a saída de Benjamin, o ministro Napoleão Nunes Filho assumiria a corregedoria da corte e também a relatoria do caso.

Dissidente Presidente da comissão da reforma política da OAB de SP, o jurista Ives Gandra Martins renunciou ao posto depois que o Conselho Federal da Ordem apresentou pedido de impeachment de Temer. Em carta, afirmou que a entidade “demonstra um rumo político de atuação em outra frente”.

Com calma “Tem que se apurar a verdade, mas não se pode precipitar julgamentos, disse Gandra à coluna. “Não foi contra o Marcos, de quem sou amigo. Optei por deixá-lo mais à vontade para escolher alguém mais afinado com essa nova linha.”

Sem açodamento Aos que o visitaram, Aécio Neves (MG) pediu cautela sobre a decisão de desembarcar do governo. “Não é possível dar um passo desse sem saber qual será o day after. A hora é de serenidade.”

Tomar o pulso Temer foi informado por tucanos que a bancada da Câmara se posicionou quase que unanimemente pelo desembarque do governo. Tasso Jereissati (CE) e Cássio Cunha Lima (PB) conseguiram conter os ânimos.

Ponte para o futuro Tido como candidato do PSDB à cadeira de Temer no caso de uma eleição indireta, Tasso foi procurado, nesta quinta-feira (25), pelo ministro Gilberto Kassab (Comunicações), comandante do PSD.

Farpas expostas A ação na cracolândia expôs divergências entre Geraldo Alckmin e João Doria. A prefeitura foi à Justiça por internações compulsórias, mas o governador disse que o instrumento não deve ser banalizado.

Deu ruim O balanço, hoje, é de que a operação foi açodada e mal articulada.

Não só Se cristalizou no STF a percepção de que a profunda crise política não será o único filhote da delação da JBS. Há forte constrangimento na corte pelas polêmicas que vieram à tona após a homologação do acordo. A aposta é que a imagem dos operadores da Lava Jato em Brasília ficará arranhada.

Sem culpa Após a revelação de que o relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, contou com a ajuda de Ricardo Saud, hoje delator da JBS, para falar com alguns senadores que votariam sua indicação, em 2015, ministros do Supremo foram solidários.

Próximos capítulos A notícia, publicada pelo colunista Jorge Bastos Moreno, de “O Globo”, deixou Fachin envergonhado e abriu novo flanco de ataque à atuação do ministro e da PGR.

Solidários Parlamentares que confirmaram a atuação de Saud a favor de Fachin no Senado dizem que, agora, o ministro terá que se valer da mesma explicação usada por políticos pegos de calças curtas: “Eu não sabia”.

Silêncio Procurado para comentar a ligação com Saud, o gabinete de Edson Fachin disse que ele não fala sobre casos que estão sob sua relatoria. Colegas minimizaram o episódio. “Não há culpa pretérita”, resumiu um ministro.

Grampolândia Em meio à polêmica gravação com Temer, a Câmara está instalando novos aparelhos telefônicos nos gabinetes dos deputados. Eles têm um dispositivo que permite a gravação de chamadas feitas e recebidas.

Tudo certo Em reunião com aliados na manhã desta quinta-feira (25), Temer disse que “foi acertada” a decisão de requisitar a presença do efetivo das Forças Armadas para conter as manifestações contra ele e a agenda de reformas do governo.

Aprovado Apesar da enxurrada de críticas ao decreto, o monitoramento de redes sociais do Planalto mostrou que os internautas apoiaram a decisão de Temer de convocar os militares para coibir os episódios de depredação.

Oportunidade Depois de Temer convocar as Forças Armadas para atuar em resposta à manifestação de quarta-feira (24), Lula desembarca em Brasília na segunda (29) para o debate “Estado de Direito ou Estado de Exceção?”, organizado pela bancada do PT no Congresso.

Mais uma baixa O decreto do presidente desagradou até os sindicalistas mais alinhados ao governo. Secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, decidiu renunciar ao posto no Conselhão.

Me dê motivo Em carta enviada a Temer, Juruna afirmou que falta sensibilidade e diálogo do presidente para debater as reformas trabalhista e da Previdência.


TIROTEIO 

Com a ação desastrosa na cracolândia e o fracasso da Virada Cultural, João Doria mostrou-se um gestor incapaz e insensível. 

DO VEREADOR ANTONIO DONATO, líder do PT na Câmara Municipal, sobre a megaoperação da polícia de combate ao tráfico no centro de São Paulo.


CONTRAPONTO

Sonho Hollywoodiano 

No lançamento de seu livro “A Luta contra a Corrupção”, na noite de terça-feira (23), em São Paulo, o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, distribuía autógrafos quando um admirador se aproximou:

— Qual ator o senhor gostaria que o interpretasse no filme da Lava Jato?

Dallagnol interrompeu a dedicatória e não titubeou:

— Se dependesse da minha mulher e da minha mãe, eu seria interpretado pelo Brad Pitt.

No longa “Polícia Federal — A Lei É para Todos”, o procurador será vivido pelo ator Rainer Cadete.