Líderes da base de Temer tentam construir anúncio conjunto de apoio à reforma da Previdência

Por Painel

Todos por um Líderes de partidos aliados do governo Michel Temer trabalham para construir um anúncio conjunto de apoio à reforma da Previdência. No jargão político, querem comunicar um “fechamento de questão” coletivo a favor das mudanças nas regras de aposentadoria. O PSDB diz que está disposto, mas quer que o PMDB, partido de Temer, bata o martelo primeiro. O DEM avisou que, se os outros forem, entra na roda. PPS e PSD já foram sondados sobre a disposição de aderir ao ato.

Discurso Uma determinação partidária pelo voto a favor da reforma da Previdência é vista como um instrumento que pode amenizar a pressão das bases sobre deputados dessas siglas. A ordem dos dirigentes, dizem, serviria de escudo e justificativa sobre o apoio à proposta.

Lá e cá O DEM, partido que foi o mais fiel na votação da reforma trabalhista, não tem tanta divergência entre seus quadros quanto ao apoio às mudanças nas regras de aposentadoria. No PSDB a situação é mais complexa. A ala mais jovem da sigla, ligada às redes sociais, é a que tem maior resistência.

Menos pior Monitoramento do Planalto nas redes sociais aponta que as concessões feitas a categorias como policiais e professores diminuíram o tiroteio na internet sobre a PEC que altera a Previdência. Auxiliares do presidente Temer admitem que o quadro ainda está longe de ser positivo, mas melhorou.

Sossega leão O governo deu início a uma operação coordenada para tentar pacificar as relações com o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que conseguiu dividir a bancada peemedebista com as críticas que fez a projetos de Michel Temer.

Entre amigos Pessoas próximas ao presidente que estão fora do governo foram à casa de Renan, na quinta-feira (4). Tentaram convencê-lo de que um discurso tão radical não trará benefícios a ninguém. Saíram esperançosos.

Rivais em paz Gleisi Hoffmann (PR) e Lindbergh Farias (RJ), que disputam a presidência do PT, vão viajar juntos pelo país, percorrendo congressos estaduais e debatendo o futuro do partido.
Consolação Padrinho da candidatura de Gleisi, Lula já trata a senadora como eleita. A caravana serviria apenas para projetar Lindbergh.

Sonho meu Com os sinais de que Jair Bolsonaro (RJ) deve abandonar a legenda, o PSC busca uma alternativa para lançar como candidato à Presidência em 2018. A direção da sigla aposta no nome do presidente do IBGE, Paulo Rabello de Castro, que hoje está no Partido Novo.

Vem que tem Integrantes do PSC dizem que, se conseguirem filiar o economista, devem fazer o anúncio já atrelado ao lançamento de sua pré-candidatura, no início do semestre que vem. Paulo Rabello é conhecido por rezar pela cartilha liberal.

Tu o dizes O PSDB começou a divulgar no WhatsApp spots da propaganda que levará ao ar no dia 11 de maio. São eleitores dando recados duros aos políticos. “Nunca esqueça: quem colocou você aí, também pode tirá-lo”, é a fala em um dos filmes.

Não para João Doria convidou outro antagonista de sua candidatura à Prefeitura de SP para dividir os holofotes com ele. José Aníbal foi chamado a plantar árvores no Parque do Carmo com o prefeito neste sábado (6).

Ocupar e resistir Mesmo após serem punidos pelo PSB por apoiarem a reforma trabalhista, 12 deputados da sigla reafirmaram seu elo com Temer. Na quinta (4), Danilo Forte (PSB-CE) articulou um café da manhã do presidente com os parlamentares que estão com o governo.

Impedido Júlio Marcelo de Oliveira, procurador do Tribunal de Contas da União, recomendou na quinta (4) à Comissão de Ética da Presidência que o ex-senador Luiz Otávio de Oliveira Campos seja afastado do cargo de secretário nacional de Portos.

Histórico Campos assumiu o posto em 11 de abril, por indicação do senador Jader Barbalho (PMDB-PA). Ele está na mira da Lava Jato e foi alvo de busca e apreensão.


TIROTEIO

A última sociedade que viveu na base do ‘like’ e do ‘unlike’ morreu no coliseu entre adagas, bigas e leões, condenada por um imperador.

DE TICIANO FIGUEIREDO, ADVOGADO CRIMINALISTA, sobre as manifestações do coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, nas redes sociais.


CONTRAPONTO

Durante a entrevista à RedeTV!, os jornalistas perguntaram ao presidente Michel Temer o motivo de ele ter preferido ficar com a família no Palácio do Jaburu, e não no Alvorada. Falaram também sobre a lenda dos fantasmas.

— Essa história de fantasma é fantasmagórica, não é verdade —, respondeu Temer.

Depois, explicou as razões da mudança:

— O Alvorada é imenso, a parte debaixo é um grande escritório. A de cima também tem essa imensidão. O meu filho… Eu precisaria de um chip para não perdê-lo!