Aliados de Lula admitem que situação do petista se agravou, mas dizem não haver motivo para prisão

Por Painel

No abismo Aliados do ex-presidente Lula reconhecem que sua situação se agravou muito com o depoimento de Léo Pinheiro, sócio da OAS, a Sergio Moro. Juridicamente, dizem, não há base para decretação de prisão neste momento, mas admitem que o clima político azedou.

Sem Lula não sai Petistas também se debruçaram sobre o depoimento de Antonio Palocci. Acham que ele deixou claro que pode levar a Lava Jato a outro patamar, mas têm esperanças de que o ex-ministro esteja tentando negociar delação que não implique ainda mais a cúpula do partido.

Voando baixo Na direção do PSDB o ambiente também é de incerteza. Aliados de Geraldo Alckmin já verbalizam que o teor de sua citação na delação da Odebrecht diminuiu a possibilidade de ele ser visto pela totalidade da sigla como um presidenciável com chances de êxito.

Holofote Pupilo do governador, João Doria (PSDB-SP) faz grande sombra a Alckmin. No evento desta sexta (21) promovido pelo Lide, grupo empresarial criado pelo prefeito, políticos ficaram abismados com o volume de pedidos para selfies que Doria recebeu.

Strike A pressão do prefeito paulistano funcionou e a Câmara Municipal extinguiu a comissão de estudos que discutiria seu plano de privatizações. Doria temia que os debates atrasassem a aprovação dos projetos na Casa. Seis dos sete integrantes do grupo faltaram à sua instalação — inclusive dois petistas.

Vai sem eles Líderes de movimentos sociais de esquerda andam irritados com o PT. O partido marcou o debate sobre sua disputa interna para o mesmo horário no qual serão discutidos detalhes finais dos atos marcados para o dia 28, quando há previsão de greve geral.

Leia a íntegra da coluna aqui.