Alckmistas temem decisão do STF sobre papel de Assembleias em ações contra governadores

Por Painel

Em Chico… Aliados de Geraldo Alckmin estão de olho em ação que está parada no STF e questiona a necessidade de a Assembleia de Minas autorizar a abertura de processo criminal contra Fernando Pimentel. O resultado, dizem, pode influenciar o futuro do governador paulista.

… e em Francisco A decisão do Supremo nesse caso pode aumentar a pressão sobre governadores que estão na mira da Lava Jato e contavam com o Legislativo estadual como última defesa.

Verão passado Citado como o homem que recebeu R$ 10,3 milhões em caixa dois para Alckmin, o cunhado do governador, Adhemar César Ribeiro, teve a empresa acusada, em 2011, de fraudar documentos imobiliários para pagar menos IPTU.

Dois pesos? Depois que o ministro Edson Fachin determinou a abertura de cinco inquéritos para investigar Aécio Neves (PSDB-MG) na Lava Jato, aliados do senador passaram a dizer que ele recebeu “tratamento diferenciado”.

Argumento Afirmam que, enquanto pedidos de doações de outros políticos em diferentes campanhas foram unificados em um só inquérito, as solicitações feitas por Aécio se transformaram em três investigações diferentes.

Lei de Newton Auxiliares aconselharam o prefeito João Doria (PSDB-SP) a não se movimentar agora. Se a Odebrecht fritar os principais caciques do partido, disseram, outras siglas e a militância tucana se unirão a ele “por força da gravidade”.

Leia a íntegra da coluna publicada nesta quinta (13) aqui.