Temer assume articulação da Previdência; gesto antirreforma será visto como oposição ao governo

Por Painel

Marcação cerrada

Michel Temer assumiu a linha de frente das negociações sobre a Previdência. Faz agora, com seus ministros, um pente-fino para detectar nomes da base no Congresso que resistem à proposta. Ele marcou reunião nesta terça (11), no Planalto, com todos os deputados da comissão que discute o tema. Um auxiliar diz que os principais pedidos dos aliados foram atendidos e ressalta que, após esse último encontro, atitudes contra a reforma serão vistas como gestos de oposição ao governo.

Vai que dá Num último aceno, aliados do presidente avaliam que seria possível fazer uma redução ainda maior na idade mínima para a aposentadoria das mulheres. A previsão é de que o texto final fixe o piso em 65 anos para eles e 60 para elas.

Vai ter volta O Instituto Lula diz que vai à Justiça se o governo Temer usar, na internet, vídeos do petista defendendo uma reforma da Previdência. Auxiliares reafirmam que o ex-presidente não endossa a proposta que o Planalto enviou ao Congresso.

Cordão sanitário Depois da prisão de cinco conselheiros do TCE do Rio, cresceu a pressão para que o Congresso aprove uma espécie de quarentena para detentores de cargos eletivos ou no Executivo poderem ser indicados a tribunais de contas.

Empurra até 2018 Aliados e adversários do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, concordam que, mesmo com o grave quadro fiscal do Estado, uma intervenção federal é a pior alternativa.

Unidos na dor Semana passada, o deputado Pedro Paulo (PMDB-RJ), relator do projeto de renegociação das dívidas, brincou com Chico Alencar (PSOL-RJ). Disse que sentia calafrios só de imaginar os cortes que seriam determinados por um técnico do Tesouro.

Mundo da lua No programa nacional do PSD, o ministro Gilberto Kassab fala sobre o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, que será lançado com o objetivo de expandir o acesso à banda larga no país.

Tudo certo Auxiliares do governador Marconi Perillo (GO) disseminaram a informação de que ele havia conseguido, após encontrar com Geraldo Alckmin (SP) no fim de semana, alinhavar o apoio de outros governadores e dos principais líderes do PSDB à sua candidatura à presidência do partido em 2018.

Só que não Nomes alinhados a Aécio Neves (MG) e José Serra (SP), porém, disseram desconhecer o acerto, assim como governadores procurados para comentar o assunto. Perillo trabalha para ser vice numa eventual chapa ao Planalto encabeçada por Alckmin. Daí a confusão.

Enquanto isso… Num balanço de seus 100 dias à frente da Prefeitura de São Paulo, nesta segunda (10), João Doria (PSDB) exaltará a redução de 3,6 mil cargos. Dirá que, com isso, conseguiu economizar R$ 150 milhões por ano para o município.

Dois pra lá… Depois que a ministra Rosa Weber –que relata ação no STF sobre a descriminalização do aborto até o terceiro mês de gestação– abriu consulta ao Congresso e ao governo sobre o tema, o plenário da corte deu sinais de que está dividido.

… dois pra cá Computam-se quatro votos a favor, quatro contra e três incógnitas. O precedente é um voto de Luís Roberto Barroso pela descriminalização. Seu texto foi publicado como referência no “International Journal of Constitutional Law”.

Vejamos O Ministério do Turismo encomendou pesquisa para medir a aceitação de um pacote de medidas que será lançado para estimular o setor, nesta terça (11). Fez sondagens nas ruas, mas também no Congresso.

Que venham 73% dos parlamentares ouvidos disseram ser a favor da abertura de empresas aéreas ao capital estrangeiro.


TIROTEIO
Eleito na chapa com o mote ‘Muda Mais’, Temer de fato não cometeu erro. No contexto da Quaresma, cumpriu bem o papel de Judas.
DO DEPUTADO FEDERAL PAULO TEIXEIRA (PT-SP), sobre declaração do presidente Michel Temer à Folha de que não cometeu erros desde que assumiu.

CONTRAPONTO
 
Em algum lugar do passado
Durante encontro com o rei da Suécia, Carlos 16 Gustavo, em São Paulo, na última segunda-feira (3), Michel Temer falou sobre seu esforço para aprovar a reforma da Previdência no Brasil.
O monarca ouviu o discurso e disse que entendia a angústia do presidente brasileiro, já que seu país havia tido um problema sério com aposentadorias, chegando a um rombo de mais de US$ 600 bilhões. Temer se espantou com o relato.
— É mesmo? Não me recordo… — disse o presidente.
–É que nós fizemos a nossa reforma há 25 anos… — justificou o monarca.