Na internet, governo vai usar declarações de Lula pró-reforma da Previdência para combater críticos

Por Painel

Quem te viu… O Planalto decidiu explorar ao máximo as diversas declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a favor de uma reforma da Previdência para combater os críticos das mudanças nas regras de aposentadoria nas redes sociais. Declarações de Dilma Rousseff sobre o tema também foram coletadas, mas o governo desistiu de usá-las. Auxiliares do presidente Michel Temer afirmaram que as falas da petista são “tão confusas” que ficaria difícil trabalhar com elas.

Destinatária A decisão do presidente de aceitar diminuir em dois ou três anos a idade mínima para a aposentadoria de mulheres atende a pleito da bancada feminina da Câmara e do PSDB.

E o povo? O esforço para agradar a base aliada contraria o resultado de pesquisas contratadas pelo Planalto. Segundo os levantamentos à disposição de Temer, 60% da população diz ser a favor de que homens e mulheres sejam submetidos às mesmas regras de aposentadoria.

Venham todos O governo organiza grande evento para toda a base aliada, no Palácio do Planalto, dia 17, antes da votação do relatório sobre a reforma da Previdência. Temer e Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, serão os anfitriões.

Civilizados Michel Temer conversou com o governador Renan Filho (PMDB-AL) quarta-feira (5). Disse a ele que os problemas que anda tendo com seu pai, o senador Renan Calheiros, não vão interferir na relação do governo com o Estado, que trabalha para privatizar empresa deficitária do setor elétrico.

Ironia fina Advogados de Renan Calheiros decidiram rebater até detalhes miúdos da denúncia feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no caso em que investiga a contratação da Serveng pela Petrobras. Até a citação usada pelo PGR no início do texto foi retrucada.

Luz… Janot abre sua peça citando frase célebre do filósofo Platão que diz que se deve perdoar uma criança que tem medo do escuro, mas que um homem que teme a luz é “a real tragédia da vida”.

… e sombra Os representantes de Renan começam a defesa do senador com frase do escritor alemão Hermann Hesse: “Só se tem medo quando não se está de acordo consigo mesmo”.

Estamos juntos Na tentativa de minimizar a repercussão do movimento que prega sua candidatura à Presidência em 2018, o prefeito João Doria (PSDB-SP) passou a telefonar diariamente para os tucanos mais próximos de Geraldo Alckmin para reafirmar seu apoio total ao governador.

Não faz milagre Em recado a Doria, a ala do PSDB que trabalha pela candidatura de Alckmin em 2018 tem dito que “só popularidade não ganha eleição”. Esse grupo diz que é preciso ter “uma aliança sólida” de partidos coligados.

Pose para a foto Para tentar enterrar o clima de disputa interna, na segunda-feira (10), Alckmin e Doria vão reunir todo os seus times de secretários no Palácio dos Bandeirantes. O governador assinará convênio e disponibilizará o sistema de compras do Estado para a prefeitura.

Nas ruas O PT decidiu criar um “fórum de oposição” ao governo Doria. O partido organizará um grupo com os movimentos sindical e social ligados à esquerda para acompanhar as ações do prefeito e promete manifestações “quando necessário”.

Quem sabe… Em reação à Carne Fraca, o governo do Mato Grosso reuniu políticos em uma churrascaria de Brasília, nesta quarta-feira (5), para divulgar a qualidade dos produtos do Estado.

… faz ao vivo Animado, o senador Waldemir Moka (PMDB-MS) pediu o microfone e cantou “La Barca”, do mexicano Luis Miguel.


TIROTEIO

Se a reforma da Previdência não passar, danou-se. E não é o governo, não. Danou-se o país. Veja o resultado da Bolsa de ontem.

DO MINISTRO MOREIRA FRANCO, da Secretaria-Geral da Presidência, sobre o impacto de uma possível rejeição das mudanças nas regras de aposentadoria.


CONTRAPONTO

Euforia coletiva

Em dezembro do ano passado, o ministro Marcos Pereira (Indústria) discursava no coquetel oferecido pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) em recepção ao secretário de Estado de Comércio do Reino Unido, Liam Fox. Contava com um tradutor simultâneo.

O ministro de Michel Temer adotou discurso otimista e disse aos convidados que o Brasil, hoje nona economia do mundo, poderia voltar a ser a sétima ou até a sexta.

O tradutor se empolgou e traduziu, para espanto do orador oficial:

— Poderá voltar a ser a sétima, sexta, quinta, quarta ou até a terceira economia do mundo!