Ex-diretor da Dersa em governos do PSDB procura advogados e é aconselhado a propor delação

Por Painel

Bomba-relógio Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, passou mais de duas horas com um grupo de criminalistas nesta quarta (8). Ex-diretor da Dersa, estatal responsável por investimentos rodoviários de São Paulo, foi aconselhado a finalmente propor um acordo de colaboração ao Ministério Público Federal. Ele é citado por delatores da Odebrecht na Lava Jato. Teria revelações a fazer sobre o período de 2005 a 2010, que abarca governos de Geraldo Alckmin e José Serra, ambos do PSDB.

Para ontem Os advogados que aconselharam Souza disseram que ele deveria se apressar a falar. Acham que suas informações terão mais valor se forem apresentadas antes de as delações feitas por ex-executivos da Odebrecht se tornarem públicas.

Currículo Souza, de 2005 a 2006, sob a gestão de Alckmin, comandou um grupo que coordenava investimentos rodoviários entre Estado e municípios. Em 2007, quando Serra assumiu o governo paulista, ele foi alçado à Diretoria de Engenharia da Dersa.

Sinal amarelo A direção da Odebrecht ficou alarmada com a decisão do ministro Herman Benjamin de solicitar uma acareação entre delatores da empreiteira que falaram ao Tribunal Superior Eleitoral. O magistrado quer esclarecer versões divergentes sobre pagamentos a partidos e a políticos.

Xeque Na Odebrecht, a avaliação é que as contradições podem pôr em dúvida a credibilidade da colaboração da empresa com a Lava Jato.

Recorta… Câmara e Senado costuram um novo acordo para tentar aprovar as mudanças nas regras de terceirização. Para minimizar as chances de embate, o acerto é que as duas Casas aprovem projetos diferentes e que Michel Temer sancione apenas parte de cada texto.

…E cola A expectativa é a de que o presidente mantenha a estrutura geral da primeira proposta e aproveite trechos sobre garantias trabalhistas da segunda. O plano deve ser colocado em prática na próxima semana.

Ajudinha Para aliados, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), adiou a decisão sobre presidências de comissões para poupar o governo de convocações de ministros e também não esvaziar os colegiados especiais que discutem as reformas.

Endereço As críticas de Renan Calheiros à influência de Eduardo Cunha no governo foram vistas como um recado dado pelo PMDB do Senado a Temer: priorizar os integrantes da sigla na Câmara poderá criar insatisfação e afetar a votação de reformas.

Não vai dar Pessoas próximas ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, temem que a crise política que se avizinha com o avanço da Lava Jato possa travar a discussão das reformas. A da Previdência, apostam, não será aprovada até junho.

Falta um O enfraquecimento de membros do governo também preocupa. Meirelles, que teve impasses com Eliseu Padilha, agora reza pelo retorno do colega ao Planalto. Diz que, sem ele, aprovar mudanças na aposentadoria será tarefa hercúlea.

Páscoa antecipada Durante reunião de seu secretariado para discutir corte de gastos, Geraldo Alckmin presenteou o titular da Agricultura, Arnaldo Jardim, com uma caixa de bombons. Era um afago por ele não gastar com aluguéis de imóveis.

Contramão Em comemoração do Dia Internacional da Mulher, o deputado César Halum (PRB-TO) enviou a deputadas uma lixa de unha — homenagem a quem “transforma nosso dia a dia em algo suave e encantador”.

Visita à Folha Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil, visitou a Folha nesta quarta (8). Estava com Ricardo Bastos, diretor de Comunicação e Relações Governamentais da empresa.


TIROTEIO

As mulheres fazem isso e muito mais. Elas presidiam o Brasil e ganharam a eleição no voto. E enfrentam o machismo todos os dias.

DA DEPUTADA MARIA DO ROSÁRIO (PT-RS), sobre a declaração do presidente Michel Temer acerca do papel da mulher ao cuidar da casa e formar os filhos.


CONTRAPONTO

Segurança nacional

Raul Jungmann (Defesa) chegou ao jantar em homenagem ao jornalista Ricardo Noblat, em Brasília, na terça (7), e logo viu o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), que chegou a dizer que havia rompido com Michel Temer em protesto pela falta de mineiros no governo.

— Nesta semana, você vai me ver, deputado, quer queira, quer não. Quando vir uma escolta, já sabe — brincou o ministro.

O deputado sorriu, e Jungmann continuou, arrancando gargalhadas dos espectadores:

— Eu sou ministro da Defesa. Ele é o ministro do ataque. Juntos fazemos o quê? O ministério da guerra!