Temendo falta de dinheiro em 2018, deputados pressionam PMDB a criar fundo para eleição

Por Painel

Só pensa naquilo Com a indefinição no sistema de financiamento das campanhas em 2018, o PMDB discute a criação de uma espécie de “fundo eleitoral” próprio para suas candidaturas. A proposta é, a exemplo do que fazem outras legendas, bancar uma reserva permanente com recursos do Fundo Partidário para custear as campanhas de deputados que vão disputar a reeleição. Dirigentes têm receio de que, sem isso, parlamentares migrem para siglas que os ajudem financeiramente no ano que vem.

Cartas na mesa Uma reunião da Executiva foi chamada para a semana após o Carnaval para tratar do assunto. Os deputados são os que mais pressionam pela medida.

Aqui não O governo decidiu bancar a manutenção do texto da nova rodada de repatriação que foi aprovado na Câmara. “Garanto que nem emenda será apresentada para incluir os parentes de políticos”, diz Aloysio Nunes, líder de Temer no Senado.

Unicórnios Autor da emenda que proibiu a medida no primeiro projeto, Bruno Covas diz esperar que, em meio à crise de credibilidade dos políticos, o Senado mantenha a restrição aos parentes. “Quem pensa em derrubar vive na ilha da fantasia.”

No breu Antonio Anastasia, primeiro a chegar e último a sair de seu gabinete, acabou trancado, no escuro, na terça. Servidores acharam que ele tivesse ido embora e passaram a chave. Na volta, encontraram-no com uma lanterninha na mão, mas ainda assim bem-humorado.

Grão em grão Gustavo Rocha, subchefe de assuntos jurídicos de Temer, receberá apoio dos chefes dos Ministérios Públicos estaduais. “A ação como conselheiro nacional do Ministério Público o credencia para a Justiça”, afirma Leonardo Bessa, do DF.

Dá na mesma A bancada do PMDB se sentiria mais representada com Osmar Serraglio na pasta, mas, em termos de relacionamento, diz que o impacto positivo dos dois é igual. Pediria, é claro, mais um espaço no governo.

Desfalque Sem duas das vagas que lhe cabiam na Esplanada, o PSDB se preocupa. Embora ocupadas por tucanos, ambas eram escolhas pessoais de Michel Temer. A sigla quer manter ao menos uma delas. Com a pressão do PMDB pela Justiça, pode fazer mais carga pelo Itamaraty.

Roteiro O PSDB deve pedir à Justiça acesso antecipado às delações da Odebrecht que tratam da campanha de Dilma Rouseff e Michel Temer em 2014, alegando que precisa se preparar para as oitivas com ex-executivos no dia 1º.

Vale-tudo O partido ainda aponta o risco de as defesas solicitarem, lá na frente, a anulação das provas no processo de cassação da chapa no TSE se não tiverem tido a oportunidade de apresentar documentos contestatórios.

Autofalante Pessoas envolvidas no caso viram na inclusão dos delatores novo “grito de independência” do relator Herman Benjamin.

Sacode a poeira Assessores de Temer querem dar ritmo às suas agendas externas. Programam uma série de viagens e tentam fazê-lo sair do Palácio do Planalto ao menos uma vez por semana.

Inspiração Entre os palacianos, há até quem fale em “joão-dorizar” o presidente, em referência às ações de marketing do prefeito de SP.

Serpentário Inquietos com o caso do Butantan, Roque Citadini e Dimas Ramalho, conselheiros do TCE, dão declaração conjunta sobre o caso: “No entrevero entre dirigentes, os menos venenosos e perigosos são as cobras e os escorpiões que vivem por lá”.

Registro Projeto do presidente da Câmara paulistana, Milton Leite (DEM), aprovado nesta quarta (22), batiza a ponte Itapaiuna de Edson de Godoy Bueno, fundador da Amil e amigo de Doria, que morreu na semana passada.


TIROTEIO

Se não quiser ajudar o governo de Michel Temer na condução de sua agenda, que pelo menos não atrapalhe.

DO DEPUTADO LÚCIO VIEIRA LIMA (PMDB-BA), sobre o ministro Moreira Franco ter dito que o PMDB vai liberar o voto da bancada na reforma da Previdência.


CONTRAPONTO

Agora é que são elas?

Durante a sabatina de Alexandre de Moraes na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, nesta terça (21), surgiu a discussão sobre a exigência de nomeação do procurador-geral da República a partir de uma lista tríplice elaborada pelo Ministério Público Federal.

A senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) perguntou a Moraes se ele defendia que nesta lista tríplice tivesse sempre o nome de uma mulher.

— Nunca pensei nisso… — respondeu o futuro ministro do Supremo Tribunal Federal

— Nunca se pensa em relação à mulher. Por isso a gente não vai a canto algum — rebateu a senadora.