Favorito para a Justiça, Velloso diz que Lava Jato é ‘intocável’ e classifica Moro como ‘juiz rigoroso, porém justo’

Por Painel

Ninguém toca A Lava Jato foi um dos temas centrais da conversa desta terça (14) entre Michel Temer e Carlos Velloso, favorito para o Ministério da Justiça. Ao presidente e à coluna, o ex-ministro do STF disse que a operação é “intocável”. À saída, afirmou também que considera Sergio Moro “um juiz rigoroso, porém justo”. Questionado se via abusos na operação, replicou: “Os tribunais viram? Um caso ou outro, sim, e teve caso em que as penas foram majoradas. Quem se sente agravado tem recurso”.

Timing Velloso não defende o levantamento imediato do sigilo das delações, mas após denúncia ou pedido de arquivamento. “A revelação pode prejudicar investigações ou jogar na rua da amargura uma pessoa que foi mencionada sem respaldo.”

Habitué O jurista disse que esteve no Jaburu “poucas vezes” e “três ou quatro” no Planalto. E que não houve convite formal. “Eu teria disposição, mas tenho de examinar. O sujeito deixa uma vida gostosa para enfrentar problemas de magnitude.”

Pule de dez Nem o PT aposta mais em barrar a indicação de Alexandre de Moraes para o Supremo na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. O teatro na sabatina, no entanto, será mantido.

S.O.S. Além do fogo amigo, o ministro Ricardo Barros (Saúde) passará a ser alvo de fogo inimigo no Senado. Líder da minoria, Humberto Costa tenta convocá-lo a explicar o negócio com valor 15 vezes maior que o seu patrimônio.

Uníssono Após a renúncia coletiva no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, o governo decidiu recompor o órgão com perfil mais próximo da gestão atual: saem defensores públicos e entram promotores.

Na força Secretário de Segurança de São Paulo, Mágino Barbosa, por exemplo, foi nomeado para o grupo esta semana. O órgão será presidido pelo desembargador paulista Cesar Mecchi Morales.

Teus sinais Palacianos avaliam que a decisão de Celso de Mello de manter Moreira Franco ministro com foro privilegiado é, também, reflexo da “nota de corte” estabelecida por Michel Temer para demitir seus auxiliares.

Assim, sim Assessores de Temer dizem que a medida deixou o relator “confortável” a manter Moreira no governo.

Vai que vai O Planalto decidiu acelerar sua reforma tributária. O governo avisou a parlamentares na segunda (13) que, no lugar de encaminhar um texto novo ao Congresso, quer trabalhar a proposta que já está em discussão na comissão da Câmara.

Juntos O relatório, do tucano Luiz Carlos Hauly, deve ser apresentado já em fevereiro. A equipe de Temer ainda não bateu o martelo sobre quais pontos da proposta apoiará nem sobre alterações, mas vê afinidade no texto preparado pelo deputado.

Uma vez Flamengo O filho do prefeito Marcelo Crivella está com a nomeação suspensa pelo Supremo, mas despacha como se secretário fosse. Marcelinho esteve ao lado do pai no Planalto para pedir auxílio para o Rio.

Escambo A dupla quer que planos de saúde possam quitar dívidas com a União oferecendo à população consultas, exames e cirurgias.

Volta amanhã A situação no Estado do Rio está tão dura que nem as recepcionistas de Luiz Pezão no Palácio Guanabara, sede do governo, receberam o 13º salário.

Não vingou A CPI do Asfalto na Câmara paulistana acabou mesmo enterrada. “A Máfia do Asfalto apontada pela comissão ficou preservada e livre para operar”, afirma José Police Neto (PSD).

Ordem do dia Líder do PT, Antonio Donato diz que não fez a indicação porque havia acordo para que funcionassem apenas duas CPIs: a da migração e a da dívida.

TIROTEIO

Se Temer cumprir a promessa de afastar ministros com culpa na Lava Jato, vai faltar tinta na caneta para assinar tanto papel.

DO DEPUTADO SILVIO COSTA (PT DO B-PE), sobre o critério apresentado por Michel Temer de afastar ministros denunciados e demitir os réus da operação.

CONTRAPONTO

Ô lá em casa…

No sábado (11), durante a ação Cidade Linda na praça da República, o secretário de Serviços e Obras da gestão João Doria, Marcos Penido, ajudava na varrição.

Acompanhando o trabalho do prefeito e de seus auxiliares, a tucana Rosi Dias, que foi candidata a vereadora em São Paulo, cutucou uma assessora:

— Quem é aquele homem de olhos verdes ali?

— É o secretário — respondeu, meio sem graça.

Rosi nem ligou para a resposta e soltou:

— Que olhos maravilhosos você tem, hein? Poderia ir varrer lá casa, né?

Constrangido, Penido deu um sorriso amarelo.