Estratégia de Temer para sucessão no Supremo pode ter sido ‘cilada’ para Cármen Lúcia

Por Painel

Efeito colateral A tentativa de Michel Temer de não melindrar a presidente do STF, Cármen Lúcia, na escolha do sucessor de Teori Zavascki já é questionada no tribunal. Ao optar por fazer sua indicação só depois da definição do novo relator da Lava Jato, o presidente acabou por criar uma “cilada” para a ministra, que demonstrou estar próxima do “limite do esgotamento”, observam pessoas envolvidas nas negociações. Cármen dedicou os últimos dias à costura de um consenso em torno da operação.

Abençoado seja Presidente da CNBB, o cardeal Sergio da Rocha enviou carta a Temer recomendando a indicação de Ives Gandra Martins Filho para o STF. Os arcebispos dom Odilo Scherer e dom Orani Tempesta também manifestaram apoio ao jurista.

Em nome da fé No texto, Rocha diz que “a população brasileira, majoritariamente cristã”, encontrará em Gandra Filho “um referencial seguro para a interpretação e a aplicação da Constituição, assegurando os direitos fundamentais da pessoa humana”.

Estoy aquí Alexandre de Moraes segue “firme no páreo” para a vaga na corte, diz um aliado próximo de Temer.

apode0102painel

Calouros Congressistas se divertiram — e se desesperaram — com uma lista falsa que circulou pelo WhatsApp com os nomes que surgiriam nas delações da Odebrecht.

Dose única Entre auxiliares de Temer, há quem prefira o fim do sigilo das delações de uma só vez. Acham que, assim, o impacto no presidente pode se diluir. A conta-gotas, o Planalto ficaria refém por muito mais tempo.

Insônia Homologadas as colaborações, executivos da empreiteira estão aflitos com o cumprimento das penas. No acordo, há previsão de execução das sentenças a partir da validação das delações. Mas a maioria não foi processada nem condenada.

Contrapartidas Há dúvidas quanto ao entendimento dos juízes que receberão os processos sobre os benefícios a que cada delator terá direito.

Últimas cartadas O centrão deflagra nesta quarta (1º) a última etapa de sua ofensiva jurídica contra a candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara.

Para já Com o argumento de que a eleição vai ocorrer antes de se esgotar o prazo para a defesa, pedirá que Celso de Mello analise o caso mesmo sem a manifestação de Maia. Também voltará ao Supremo depois da formalização de sua candidatura.

Faca no pescoço Se o STF não se posicionar antes da eleição, rivais de Maia dizem que a Câmara passará dois anos submissa à corte. A possibilidade de o tribunal julgar a ação que pode afastá-lo no futuro inibiria qualquer movimento da Casa que contrarie interesses do Supremo.

De novo ele Com a perspectiva de que comande a sessão da eleição e os trâmites da disputa, o primeiro-vice da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), agora é cortejado por aliados de Maia e de Jovair Arantes (PTB-GO).

Olha eu aqui Com a caneta na mão em momento tão importante, Maranhão pode acabar sendo agraciado com a Ouvidoria da Câmara. Maia tem dito a aliados que está “tranquilo” com o comportamento de seu vice.

Fizeram forfait Foi baixíssimo o quorum da reunião chamada por José Medeiros (PSD-MT) para medir o peso de sua candidatura à presidência do Senado contra Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Déjà-vu Reunido com bancada do PRB na Câmara na noite desta terça (31), o ministro Marcos Pereira (Indústria) ouviu dos deputados duras críticas ao tratamento que têm recebido do governo. Houve até a sugestão para que entregasse a pasta.

Cara de paisagem O ministro ouviu atentamente as críticas, sem esboçar reações.


TIROTEIO

Não há nada ilegal. A Câmara de São Paulo apenas está cumprindo o que determinam a lei e a Constituição.

DO VEREADOR MILTON LEITE (DEM), presidente da Câmara Municipal de SP, rebatendo críticas à decisão de aposentar servidores com mais de 75 anos.


CONTRAPONTO

Prefeito pidão 

João Doria reuniu uma série de empresários do ramo da construção civil em um almoço nesta terça-feira (31). Apresentou a eles um projeto da Prefeitura de São Paulo de reforma de abrigos para moradores de rua e pediu que os presentes contribuíssem com o programa.

— Coloquem a mão na consciência. E no bolso também! — disse, provocando o auditório.

Depois, pediu que aqueles que estivessem dispostos a ajudar levantassem as mãos. No total, 52 dos cerca de 100 presentes se voluntariaram. Doria emendou:

— Não basta levantar a mão, agora temos de anotar todos os nomes, também!