Diante de desgaste do acordo com base de Temer, PT avalia lançar candidatura solo à Câmara

Por Painel

Tchau, queridos Diante do desgaste interno, a cúpula do PT já fala em recuar nas negociações sobre a eleição para presidência da Câmara e não apoiar nenhum dos dois principais candidatos, ambos identificados com a deposição de Dilma Rousseff — Rodrigo Maia é do DEM, um dos principais artífices do impeachment, e Jovair Arantes relatou a ação de cassação. O apoio do PT ao vencedor daria à sigla uma vaga na direção da Casa. Paulo Teixeira (PT-SP) é o mais cotado a assumir a candidatura solo.

Vade retro “A probabilidade de apoiar o Rodrigo é menor. O apoio a Jovair já foi maior, mas caiu também. André [Figueiredo, candidato do PDT] chutou nossa canela, atrapalhou bem”, diz o líder do PT, Carlos Zarattini (SP).

Tão 2016 A candidatura de Teixeira daria palanque à sigla para reforçar contra Temer o discurso do “golpe” — e estimularia Maia e Jovair a flexibilizar a negociação com a sigla. A decisão deve ser tomada na terça-feira (31).

Acredite se quiser O PT de São Paulo e movimentos sociais ligados ao partido farão, na segunda-feira (30), o ato “Petista não vota em golpista”, contra a decisão da legenda de apoiar candidatos da base de Temer à presidência da Câmara e do Senado.

Te direi que és O ato tem apoio de 25 dos 27 presidentes do PT de SP. Em carta aos parlamentares, dizem: “Nada justificará um acordo no momento em que os golpistas atacam a soberania nacional, a ordem democrática e os direitos dos trabalhadores”.

Carne de pescoço Animados com a liminar que chegou a impedir, por dois dias, a postulação de Maia à reeleição, rivais do presidente da Câmara entraram com ações semelhantes na Justiça Federal de primeiro grau em outras duas jurisdições.

apode2801painell

Whey protein De saída da liderança do PSDB, Antonio Imbassahy, 68, rendeu-se aos cabeças pretas da bancada tucana na Câmara: começou a frequentar a mesma academia onde a turma mais jovem do grupo vai malhar.

Sem pressão Diante do diz que diz em sentido contrário, o PSDB manda recado ao Planalto: espera a confirmação da data para enviar os convites da posse de Imbassahy na Secretaria de Governo.

Registros Caso seja nomeado para o Supremo, Ives Gandra Filho não será o primeiro adepto da Opus Dei na corte. O ministro José Geraldo Rodrigues de Alckmin, tio do governador de SP, ocupou o posto de 3 de outubro de 1972 a 6 de novembro de 1978.

Veja bem Interlocutores de Gandra Filho lembram que Rodrigues “não era alguém reacionário”. Como corregedor-geral da Justiça de SP, apoiou o então procurador Hélio Bicudo na condenação de integrantes do Esquadrão da Morte, organização paramilitar dos anos 1970.

Cri cri cri cri A Secretaria de Políticas para Mulheres de Michel Temer silenciou sobre o trecho do artigo em que Gandra Filho, cotado para a vaga de Teori Zavascki, defende a submissão feminina.

Deixa assim Questionada desde quarta (25), tanto a secretária Fátima Pelaes (PMDB) quanto a pasta — que tem como um dos objetivos trabalhar pela autonomia das mulheres — preferiram não externar uma posição sobre a possibilidade de o Executivo indicá-lo para o STF.

Conterrâneo O desembargador João Pedro Gebran Neto, que integra a turma que revisa as decisões de Sergio Moro na Lava Jato, tem o apoio do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), para ser indicado ao Supremo.

Franca campanha Nesta sexta-feira (27), Gebran esteve no Espírito Santo e, ciceroneado pelo deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), foi recebido pelo governador do Estado, Paulo Hartung. “Ele tem méritos e posturas que o qualificam para esta vaga”, defendeu o parlamentar.


TIROTEIO

Fazer um acordo para apoiar um candidato que atuou a favor do golpe é reforçar uma institucionalidade perversa.

DO EX-MINISTRO TARSO GENRO, sobre o PT fechar um acordo político com a base de Michel Temer para as eleições da presidência da Câmara e do Senado.


CONTRAPONTO

Tarja preta

No discurso da vitória da eleição que o conduziu à presidência da Câmara, em julho do ano passado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) brincou com o fato de ser emotivo:

— Não sei nem como não chorei no discurso!

Lembrou, então, que os colegas de campanha, conhecendo esse traço de sua personalidade, aconselhavam:

— Tome calmante, você não vai aguentar!

Emocionado em sua primeira fala já como novo presidente da Casa, o deputado fluminense acabou confessando, arrancando risos dos deputados no plenário:

— Eu acho que eu aguentei, mas precisei tomar três calmantes!