Novo massacre em presídio no RN mantém crise no Planalto e eleva pressão por novas medidas

Por Painel

Me dê motivo O massacre de sábado no Rio Grande do Norte firmou no Planalto a convicção de que a crise prisional está longe do fim e elevou a pressão para que a reunião com secretários estaduais, na terça (17), apresente medidas concretas para enfrentá-la. Antes, Michel Temer e Alexandre de Moraes (Justiça) devem bater o martelo sobre novas frentes de atuação. Na quarta, o presidente reúne governadores para tratar do assunto. Quer partilhar responsabilidades para tirar a crise de dentro do palácio.

Sala de aula Cerca de 10 dos 56 presos mortos no início de janeiro no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, haviam prestado em dezembro o Enem PPL — a versão do exame para “pessoas privadas de liberdade”.

Não bateu As faltas dos 3.154 servidores da Presidência da República somaram 16.710 dias em 2016 — cinco dias e meio de ausência por servidor. Do total, 71 não foram justificadas e 10 mil ocorreram por licença médica.

Família Os funcionários presidenciais faltaram 121 dias por motivo de casamento, 249 por licença paternidade e 4.236 por licença gestante, mostra levantamento pedido pela coluna por meio da Lei de Acesso à Informação.

Quem quer dinheiro Para tentar dar mais um empurrão na atividade econômica, o governo federal abre nesta semana uma linha de crédito de R$ 1,2 bilhão voltado a micro e pequenas empresas.

Para dar e vender O convênio, firmado entre Sebrae e BB, vai usar recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador para os empréstimos. Há ainda R$ 200 milhões para a Receita aprimorar sistemas de dados das empresas.

Ideia fixa Operadores do mercado que visitam investidores estrangeiros relatam que cresceram muito as perguntas sobre a chance de Lula voltar ao Planalto em 2018.

Pelas costas O que mais irritou o governador Geraldo Alckmin na decisão do PSDB paulista de reconduzir o presidente de seu diretório estadual foi a perda do discurso.

Calças curtas Alckmistas diziam que Aécio Neves tinha dado um “golpe branco” ao ser reconduzido à chefia do diretório nacional. Quando um aliado do governador fez o mesmo em SP, escancarou que a queixa era só estratégia para fustigar o senador.

Lá e cá Depois de ser recebido por Alckmin, Rodrigo Maia (DEM-RJ) visitará a Câmara paulistana. A Casa é presidida por um vereador do seu partido que teve apoio do PSDB para vencer a eleição — exatamente o que o deputado tenta reproduzir em Brasília.

Que crise? Rival de Maia, Jovair Arantes (PTB-GO) visita onze Estados nesta semana. Diz que a “vaquinha” para custear as viagens já tem recursos suficientes para levar a campanha até fevereiro.

Carteirada Vice-presidente da comissão de reforma política na Câmara, o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG) amarra um acordo com a direção dos maiores partidos para que a votação do projeto que ameaça as siglas menores ocorra até julho.

Reserva de mercado Orlando Silva (PC do B-SP) já apresentou sua contraproposta para afrouxar a cláusula de barreira. Quer cortar pela metade o percentual de votos necessário para que um partido continue atuando.

De olho Surgem no Congresso, a cada dia, mais focos de resistência à reforma da Previdência de Temer. A deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) tenta manter os benefícios a pessoas com deficiência de baixa renda. “Temos de buscar o olhar humano”, diz.

apode1601painell

‌Segue o jogo Apareceu na Câmara na semana passada um sujeito, de terno, avisando à segurança que viera tomar posse como presidente da República. A tentativa de golpe logo foi contida, e três policiais legislativos o acompanharam de volta à saída.


TIROTEIO

Lula fala em ser candidato ao Planalto mais uma vez em 2018, mas ele não tem sequer coragem de andar na rua.

DO SENADOR RONALDO CAIADO (DEM-GO), líder da bancada, sobre o ex-presidente ter ido a Salvador, mas não ter participado da Lavagem do Bonfim.


CONTRAPONTO

Toda vez que eu viajava…

Durante a cerimônia de inauguração da escola municipal Fued Temer, em Praia Grande (SP), na quinta-feira (12), o presidente Michel Temer agradeceu a homenagem do prefeito Alberto Mourão (PSDB) a seu irmão e, em seguida, deu um tom mais político a sua fala:

— Esse ano eu quero começar a viajar para todos os grandes municípios de São Paulo, como estou fazendo aqui, para agradecer o apoio que tenho recebido dos prefeitos para reformar o Brasil…

Antes mesmo de Temer terminar sua fala, um deputado que estava na plateia cochichou com um colega:

— Começou a campanha pela reeleição!