Facção criminosa planejava fuga em massa de penitenciárias de Manaus entre Natal e Ano Novo

Por Painel

Cortina de fumaça O governo federal recebeu informações de inteligência dando conta de que o governo do Amazonas já sabia que líderes da facção criminosa que atua na região planejavam uma fuga em massa entre o Natal e o Ano Novo. Há suspeita de que pelo menos 300 presos — não uma centena, como estimado — podem ter escapado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus. Uma das hipóteses é a de que a briga tenha sido deflagrada por uma das facções para tirar a atenção da fuga.

Diversionista Alguns integrantes da administração Temer estão furibundos com o governador do Amazonas, José Melo. Dizem que sua equipe insufla a chance de conflitos em outros presídios brasileiros para tirar o foco da chacina e de suas causas.

Outro lado A Secretaria de Administração Penitenciária afirmou que “não teve acesso a relatórios de inteligência” apontados pela coluna. Disse que a Polícia Militar contou o número de foragidos — a secretaria, no entanto, não informou quantos detentos efetivamente escaparam.

Mão na taça Palacianos e congressistas concordam que se o STF lavar as mãos e decidir não se meter na disputa para presidente da Câmara, dificilmente o deputado Rodrigo Maia não será reeleito.

La garantía soy yo Sobre rumores de que Michel Temer fará uma reforma ministerial — incluindo mudanças nas pastas da Saúde e do Trabalho para ajudar Maia –, o ministro Eliseu Padilha é taxativo: “Nada disso foi falado até hoje no Planalto”.

À luta O MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) fará protestos de rua em fevereiro para pressionar o governo a liberar dinheiro para o Minha Casa Minha Vida.

Sem ceia Na visita do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) a Eduardo Cunha em Curitiba, o ex-presidente da Câmara lamentou não ter passado o Natal com sua família.

Somos tão jovens Do secretário Moreira Franco, divagando com um palaciano sobre o escasso tempo do governo: “Nós só temos dois anos, não quatro. Então, cada minuto vale o dobro”.

No carnaval Quem acompanha de perto Lava Jato espera que o Ministério Público solicite o fim do sigilo da delação da Odebrecht em fevereiro, após a homologação.

Sabático Derrotado na disputa pelo comando da Câmara municipal, Mário Covas Neto vai se licenciar da presidência do PSDB de SP por 90 dias. Embora tivesse a garantia do apoio de pelo menos seis colegas, o tucano recebeu apenas seu próprio voto.

Alô, alô… Um dos principais apoiadores da candidatura de João Doria no PSDB e se dizendo preterido pelo correligionário na eleição do Legislativo, Covas Neto rompeu com o prefeito. Nem suas ligações ele atende mais.

Coutinho e Pelé O secretário de Desenvolvimento Social de Geraldo Alckmin, Floriano Pesaro, anuncia nesta quarta (4) a primeira parceria do Estado com a gestão João Doria: o repasse de R$ 64 milhões para o Fundo Municipal de Assistência Social.

Veja bem Em reunião com funcionários da SPTuris, empresa municipal de turismo, nesta terça (3), o novo presidente David Barioni deu a entender que, por enquanto, a privatização do Anhembi não é prioridade do governo.

Com calma Barioni disse que o objetivo é buscar a iniciativa privada para bancar reformas no Anhembi. Insistir, portanto, na tecla da privatização agora poderia atrapalhar as parcerias iniciais.

apode0401painel

Álcool gel Conhecido pelo asseio e pela farta quantidade de gel que passa no cabelo, o secretário Anderson Pomini (Justiça) não aguentou o calor. Vestido de gari, comentou com colegas que passaria em casa para tomar uma ducha antes de voltar à prefeitura para uma reunião.


TIROTEIO

Proponho debate em 1º de fevereiro, dia de inscrição das candidaturas e quando os 513 deputados poderão participar da discussão.

DE ORLANDO SILVA (PC do B), ironizando a proposta de Rogério Rosso (PSD), um dos postulantes ao comando da Câmara, de fazer debate de TV entre candidatos.


CONTRAPONTO

Museu de grande novidades

Com apoio do prefeito João Doria (PSDB) e também do PT, Milton Leite (DEM) foi eleito presidente da Câmara Municipal de São Paulo.

Vereador pelo sexto mandato, Leite tem a tradição de sempre se colocar na disputa pelo comando da Casa. Mas foi só na tarde de domingo (1º) que conseguiu maioria para, pela primeira vez, se tornar presidente do Legislativo paulistano. Ele teve 50 dos 55 votos.

Ao ser chamado para votar, o petista Arselino Tatto não perdeu a piada:

— Pela renovação na política, voto Milton Leite!

No plenário, os vereadores caíram na risada.