Ministério da Fazenda prepara cadastro positivo para facilitar liberação de crédito e reativar o PIB

Por Painel

Pagando bem… O Ministério da Fazenda vai lançar um cadastro positivo para facilitar a liberação de crédito para pessoas e empresas. Com a relação de bons pagadores, os critérios de concessão de financiamento ficarão mais flexíveis, de acordo com técnicos que atuam na elaboração de medidas para reativar o PIB. Em reuniões internas, o ministro Henrique Meirelles tem desencorajado propostas de “afogadilho”. Quer ações “bem pensadas” para evitar a adoção de iniciativas erráticas e ineficazes.

Devagarinho Até a próxima quarta-feira (14), Henrique Meirelles e sua equipe devem fechar as propostas da Fazenda para estimular o crescimento econômico.

Também tô nessa O ministro Dyogo Oliveira (Planejamento) também trabalha em outro conjunto de medidas — todas elas serão submetidas ao Palácio do Planalto. O anúncio ocorrerá em breve.

Como uma luva A delação premiada de um dos executivos da Odebrecht que cita repasses irregulares para a cúpula do governo Temer casa com algumas das perguntas feitas por Eduardo Cunha ao presidente da República.

Roteiro Sergio Moro vetou 21 indagações de Cunha a Temer. Duas coincidem com a informação do dirigente de que levou dinheiro ao escritório de José Yunes. “Qual sua relação com o sr. José Yunes?”, Yunes já “recebeu alguma doação de campanha?”, questionou o ex-deputado.

Amigos, amigos Presidente municipal do PMDB de São Paulo, José Yunes é o melhor amigo e um dos mais próximos auxiliares de Temer.

S.O.S. Integrantes da comitiva de Michel Temer no Nordeste se espantaram com a segurança em torno do presidente: grupos que queriam agradecer pela vaquejada, prefeitos e até o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, chegaram a ser barrados.

Contando as horas Parte do público só foi liberada a entrar no local vinte minutos depois que o helicóptero com Temer já havia partido.

Cabeça preta Geraldo Alckmin não conseguiu emplacar Silvio Torres na disputa pela liderança do PSDB na Câmara. Ricardo Tripoli representará São Paulo por ser menos alinhado ao governador e mais afinado com a ala jovem da bancada, que quer lançar Daniel Coelho (PE).

Estátua A oposição vai ao Supremo na segunda-feira (12) pedir que a PEC do teto de gastos não seja votada no Senado no dia seguinte. Argumenta que Renan Calheiros não cumpriu os ritos necessários ao fazer as três sessões de discussão em um só dia.

Cara ou coroa No melhor cenário para o grupo, o pedido cairia nas mãos de Marco Aurélio Mello — encarado como algoz de Renan. No pior, a peça seria engavetada, e restaria ao PT e a aliados o discurso de que o STF está mesmo nas mãos do senador.

Teus sinais O rigor com que Renan tratou os petistas na primeira sessão após seu “retorno” tinha explicação: ele sabia que a bancada havia decidido votar para confirmar seu afastamento caso o tema fosse levado a plenário.

Tudo junto Não só a Previdência levou o governo a adiar o anúncio de Antônio Imbassahy na Secretaria de Governo. O centrão voltou a flertar com a oposição para tentar desbancar a recondução de Rodrigo Maia, tratado como candidato do Planalto.

Mãos ao alto A revolta sufocada pelo Planalto também levou o grupo a sacar uma arma mantida no coldre até então: já há uma comissão do impeachment contra Temer instalada. Basta que os líderes indiquem os membros para que ela funcione.

apode1012painell

Aprendiz Advogado de João Doria, Nelson Wilians recebeu e-mail do filho de Donald Trump agradecendo o artigo na “Forbes” sobre a vitória do pai. Prometeu enviar o texto ao presidente eleito.


TIROTEIO

Com essa reforma do Temer, atestado de óbito vai virar documento obrigatório para o trabalhador conseguir se aposentar.

DE JOÃO CARLOS GONÇALVES, secretário-geral da Força Sindical, ironizando a necessidade de 49 anos de contribuição na reforma da Previdência.


CONTRAPONTO

Ah, os políticos

Uma plateia de 300 pessoas na universidade alemã de Heidelberg assistiu, nesta sexta-feira (9), a uma palestra de Sergio Moro sobre a Lava Jato.

Moro foi tanto ovacionado — muitos carregavam a bandeira do Brasil — como vaiado por pessoas contrárias ao impeachment de Dilma Rousseff, que levantavam cartazes criticando o juiz.

Ao ser questionado sobre a sorridente foto ao lado de Aécio Neves (PSDB), afirmou que se tratava de um evento público e que o senador não é investigado por ele.

— Você tem sempre problemas políticos quando os casos envolvem políticos.