Senadores devem recorrer à presidência do Supremo para devolver cargo a Renan Calheiros

Por Painel

Não vai ficar assim Em reunião de emergência na residência do presidente do Senado, aliados de Renan Calheiros traçavam um plano para devolvê-lo ao cargo. O clima era o pior possível. “É muito sério tirar o chefe de um Poder por liminar. Nem com Eduardo Cunha foi assim”, reclamou um senador. Caciques cogitam entrar, em nome da instituição, com um pedido de suspensão do ato à presidente do STF, Cármen Lúcia. “É uma decisão gravíssima”, reage Jorge Viana (PT-AC), sucessor imediato de Renan.

Chamuscado Com o afastamento, Michel Temer passa a depender de duas fotografias improváveis para reaver alguma normalidade em seu governo: reabilitar Renan e ver o PT, pelas mãos de Viana, colocar o teto de gastos para votar na terça que vem.

Cruz e espada Apesar de Viana ter perfil conciliador e ser próximo do presidente do Senado, a bancada petista já o pressiona para que adie a tramitação final do teto para 2017. “Não podemos ignorar a crise. A Casa não pode votar nada este ano”, defende Lindbergh Farias (PT-RJ).

Duro de matar Waldir Maranhão (PP-MA) voltou à ribalta. Com a saída de Renan, assume a função de presidente do Congresso e, com ela, a tarefa de conduzir a votação do Orçamento e de vetos.

Vem chumbo Três magistrados do STF temem contra-ataque do Congresso. Há tempos o Legislativo revela ira com o “ativismo” da corte.

Subiu no telhado O novo capítulo da crise fez ministros do Nordeste descartarem por ora a visita do presidente aos Estados da região.

No íntimo Poucas coisas incomodaram mais Michel Temer nestes sete meses e meio no cargo do que FHC ter se referido a seu governo como uma “pinguela”.

Foco, força e fé A força-tarefa cogita pedir reforço para conseguir terminar todos os 77 depoimentos da Odebrecht ainda neste ano.

Apoteose Quem conhece a operação por dentro vaticina: em cerca dez dias, a delação premiada da empreiteira vai começar a incomodar muita gente graúda.

Silêncio no tribunal O TCU fará ouvido de mercador sobre o envolvimento do ministro Vital do Rêgo na Lava Jato — descarta-se qualquer procedimento contra ele.

Madeeeiraaa Pesquisa do instituto Ipsos com 1.200 pessoas mostrou que o otimismo do brasileiro recuou muito — 7% em novembro contra 16% em outubro. A sensação de que o país está no rumo errado também subiu de 83% em outubro para 89%.

Dobrou a meta A avaliação de Temer piorou: 52% em novembro contra 46% em outubro. É a primeira vez que a avaliação negativa passa dos 50% desde junho, um mês após sua posse como presidente interino.

Vamos bater lata Diante do risco de se votar um projeto proibindo a atuação do aplicativo Uber, ativistas e passageiros enviaram uma avalanche de e-mails à Câmara.

Caixa postal lotada Treze milhões de mensagens encheram a caixa de entrada da instituição pedindo que o projeto não seja votado.

Eu pago Geraldo Alckmin avalia acomodar Mario Covas Neto em seu secretariado. Ao tirar o tucano da Câmara paulistana, o governador “resolveria o problema para Doria”. O vereador e o prefeito eleito romperam após o PSDB abrir mão da presidência da Casa.

Dois pesos Auxiliares de Alckmin ponderam que a nomeação de Covas Neto “jogaria o problema no colo do governador”. “Não aceito nem a pau”, diz o vereador.

apode0612painell

Em cápsulas Após comandar uma reunião de doze horas com todo o seu secretariado, no sábado (3), Doria distribuiu kit com vitaminas C, D e E para a equipe “aguentar o tranco de trabalho”.


TIROTEIO

O relatório é pior que o soneto, pura piada. Retirar filosofia e sociologia da grade enfraquece a formação humanística.

DA DEPUTADA MARGARIDA SALOMÃO (PT-MG), sobre o relatório do senador Pedro Chaves (PSC-MS) que muda as diretrizes do ensino médio.


CONTRAPONTO

Copo meio cheio aqui e meio vazio lá

Professor da Universidade de Harvard, Michael Sandel participou de uma conferência no STF, nesta segunda (5), a convite do ministro Luís Roberto Barroso.

O filósofo falava sobre ética pública e democracia. Dizia que há “uma imensa raiva da população” com o funcionamento das instituições democráticas, além de “frustração” com o sistema político. Referia-se, principalmente, aos EUA e à Europa.

Sandel foi menos pessimista ao tratar do Brasil.

— O ativismo social brasileiro contra a corrupção é muito mais construtivo do que o populismo xenófobo que se espalhou pelo mundo.