TSE vê indícios de irregularidade nas prestações de contas de PT e PMDB

Por Painel

Via de mão dupla A área técnica do Tribunal Superior Eleitoral viu indícios de irregularidades nas prestações de contas dos diretórios nacionais de PT, PMDB e outros quatro partidos nanicos nas campanhas municipais deste ano. As siglas foram cobradas a dar explicações sobre as contribuições que caíram na “malha fina” da Justiça, depois do cruzamento de informações dos doadores com o de outras bases de dados do governo. Os casos mais comuns são o de renda incompatível com o valor doado.

Invasões bárbaras Partidos nanicos foram à desforra. O PRB ganhou no Rio, o PHS em BH e o PMN em Curitiba. Ficará mais difícil fazer avançar no Congresso a chamada cláusula de barreira — mecanismo que tira as pequenas siglas do jogo eleitoral.

Rumo ao ostracismo O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), elegeu prefeito da capital São Luís o aliado Edivaldo Holanda Jr (PDT) e selou a hegemonia de seu campo político. Baniu a família Sarney do controle de 154 das 217 cidades.

Ecumênico “O resultado geral desta eleição mostra que, para a esquerda, só é possível vencer nas urnas se ampliarmos em direção ao centro”, afirma Dino, que administra o Estado com o apoio do PT e do PSDB.

Lavoura arcaica As buscas e apreensões feitas pela PF na Operação Lava Jato nos endereços do ex-ministro Antônio Palocci não renderam muitos frutos à investigação.

Na vanguarda A escassez de dados relevantes no material coletado, incluindo o celular adquirido pelo petista no ano passado, pode indicar que Palocci já se preparava para não deixar rastros potencialmente comprometedores, dizem investigadores.

apode3110painellEntreguei pra Deus Resignado com o listão da Odebrecht — ranking de políticos citados na delação — um ministro de Michel Temer assim definiu seu humor com a promessa de colaboração bombástica da empreiteira: “Vai ser do tipo todo mundo dança. Já não me estresso mais”.

Faça o que eu faço O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, aposentou-se pelo INSS em 2012, aos 66 anos — um ano acima da idade mínima fixada em sua proposta de reforma da Previdência. Seu benefício é de R$ 5.004,38.

Ocasião A decisão do STF de permitir corte de salário de servidores em greve levou o Planalto a estimular a tramitação de um projeto de lei do líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP).

Sobrou a panela No projeto, o senador tucano propõe regulamentar regras mais duras para paralisações de funcionários públicos.

Lenha na fogueira O texto está na Comissão de Constituição e Justiça e enfrentava fortíssima resistência do governo Dilma Rousseff. Palacianos avaliam que agora pode ser um bom momento para desenterrá-lo.

Quem manda A pedido de Romero Jucá (PMDB-RR) e da prefeita de Boa Vista, Teresa Surita, o governo federal enviou emissários à capital de Roraima para levantar casos de entrada irregular de venezuelanos no Brasil.

S.O.S Após a solicitação, a Casa Civil reuniu os ministérios da Defesa, Justiça, Relações Exteriores e da Saúde para decidir como agir. Há relatos de multiplicação de mão de obra barata, prostituição e tráfico de drogas.

Sem machado A Federação Nacional dos Policiais Federais, preocupada com retaliações ao agente Lucas Valença, o “lenhador da Federal”, acionou sua área jurídica para defendê-lo.

Distância Candidata à vaga da Câmara no CNJ, Ana Luísa Marcondes, que trabalhou com Renan Calheiros, foi exonerada de um cargo de confiança no Conselho Nacional do Ministério Público depois de aparecer na TV conversando com o ex-chefe.


TIROTEIO

O governo colecionou vitórias no Congresso porque, diferentemente da gestão anterior, apostou no diálogo como palavra-chave.

DO DEPUTADO ANDRÉ MOURA (PSC-SE), líder do governo na Câmara, sobre os primeiros meses da relação do presidente Michel Temer com os parlamentares.


CONTRAPONTO

Tem desconto? 

Convidado pela Fundação FHC, o diretor global de infraestrutura da KPMG, o inglês James Stewart, havia feito um resumo sobre as tendências no mundo para investimentos em infraestrutura e sobre o programa de concessões do governo. Após sua fala, o secretário de articulação para investimentos do PPI, Marcelo Allain, foi convidado a falar.
— Gostaria de convidar o Stewart a trabalhar no PPI. Já sabe tudo o que temos de fazer.
— Terão de pagar em libras! — gritou um convidado.
— Aí é um problema, um risco cambial que não gostaríamos de tomar… — retrucou Allain.