Em 2014, ministro da Justiça disse que operação no Legislativo com autorização do 1º grau é ilegal

Por Painel

Esqueça o que escrevi Defensor da operação da Polícia Federal no Senado a partir da autorização de um juiz de primeiro grau, Alexandre de Moraes já elaborou parecer em que sustentou uma tese contrária. Em 2014, o hoje ministro da Justiça escreveu que um mandado de busca e apreensão na Assembleia do Paraná não poderia ter sido cumprido com autorização da primeira instância, mas apenas se houvesse decisão da “autoridade judicial competente”, o Tribunal de Justiça — ou, no caso do Senado, do STF.

Outro lado Procurado, o ministro não se manifestou até a conclusão desta edição.

V de vingança Integrantes da Polícia Federal avaliam que o alvo das críticas dos senadores sobre a ação — batizada Operação Métis — não é Alexandre de Moraes, mas, sim, a própria corporação.

Ufa O Planalto respirou aliviado com a decisão do ministro Teori Zavascki (STF) de suspender a operação. Palacianos diziam que o governo estava “nas mãos” de Renan Calheiros e que uma turbulência poderia ser fatal.

Dois em um A suspensão dá bons sinais para o governo em duas frentes: se Renan viesse a ser afastado como consequência dela, não só Jorge Viana (PT-AC) assumiria o Senado, mas Waldir Maranhão sentaria na cadeira de presidente do Congresso.

Tenho pressa Palacianos esperam que o senador Romero Jucá (PMDB-RR) seja nomeado logo na liderança do governo no Congresso.

Caixa preta Até hoje a Lava Jato não conseguiu analisar todo o conteúdo da caixa de correio de Marcelo Odebrecht. Quando a PF fez as buscas na empresa, as mensagens haviam sido apagadas.

Agulha no palheiro No entanto, boa parte das conversas estava registrada no computador da secretária do empreiteiro. Havia cerca de 400 mil mensagens.

Estreia Temer marcou a primeira reunião de seu Conselhão para 21 de novembro, no Planalto. O presidente usará o encontro para dar posse aos integrantes do grupo.

Fica assim Futuro relator da PEC do teto de gastos, Eunício Oliveira (PMDB-CE) promete não alterá-la no Senado para evitar que o texto precise retornar à Câmara, o que retardaria a aprovação. “Não tem como haver mudança.”

Magoou muito Líder do MBL e apoiador de João Doria, o vereador eleito Fernando Holiday (DEM-SP) está desapontadíssimo com a decisão do novo prefeito de congelar a tarifa de ônibus.

Pedalada tucana “Ele está flertando com a irresponsabilidade fiscal e o mesmo populismo que nos mergulhou nesta crise. Em vez de congelar, deveria acelerar”, dispara Holiday.

Meia volta Praticamente confirmada na Secretaria de Finanças da Prefeitura de SP, Ana Carla Abrão, atual chefe da Fazenda de Goiás, telefonou para Doria na noite de quarta (26) dizendo que, por questões familiares, teria dificuldade de assumir a pasta.

Última que morre O prefeito eleito, que pretendia anunciá-la no cargo nesta quinta (27), ainda nutre alguma esperança de que a economista possa mudar de ideia.

Pra você Paulo Mathias, coordenador da campanha de João Doria, pode assumir a presidência da SPTuris, que administra o Anhembi e o autódromo de Interlagos.

Mora ao lado Dois dias antes de ser preso, Eduardo Cunha pegou um voo de SP para Brasília. No mesmo avião estava o delator da Odebrecht Alexandrino Alencar.

apode2810painel

Marmelada A Petrobras é finalista do Concurso de Boas Práticas, do Ministério da Transparência, como destaque na área de gestão — tudo bem que é o governo premiando a petroleira, mas para quem viveu o calvário da Lava Jato, já é alguma coisa.


TIROTEIO

Uma das maiores artífices do golpe falar em invasão dos russos só mostra o devaneio em cima do qual foi criado o impeachment.

DO DEPUTADO PAULO TEIXEIRA (PT-SP), sobre a declaração de Janaína Paschoal alertando para o risco de uma invasão russa no Brasil.


CONTRAPONTO

Seguro defeso

Lucio Vieira Lima (PMDB-BA) participava na Câmara de uma solenidade em prol da vaquejada. Quando o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), concedeu a palavra ao congressista, o deputado baiano desatou a fazer comentários a favor desse tipo de torneio.

— Ninguém fala em acabar com o pesque e pague porque o peixe sai machucado pelo anzol mesmo sendo devolvido para a água depois — reclamou.

Nesse momento, alguém da plateia gritou:

— Isso sem contar a minhoca, que morre!

— Eu cuido do peixe. Da minhoca, cuide você — devolveu o deputado, contendo o sorriso.