Por 2018, centrão quer que Planalto apoie grupo em disputas contra PSDB e DEM no segundo turno

Por Painel

Mercadorias e futuros Partidos do centrão com chances de ir ao segundo turno contra a antiga oposição já procuraram o Planalto cobrando apoio na próxima fase da disputa. O principal argumento é o de que os tucanos lançarão um candidato à Presidência em 2018 contra um nome de Michel Temer. Fortalecê-los agora seria um tiro no pé. Um exemplo é o de São Paulo, onde Celso Russomanno (PRB) pode enfrentar João Doria (PSDB). Geraldo Alckmin ganha força na disputa presidencial se eleger o pupilo.

Cruz e espada O Planalto se vê em situação difícil: PSDB e DEM são centrais para aprovar as reformas de Temer, que não pode melindrá-los.

Truco Peemedebistas cobram a recíproca: se o centrão diz que é mais fácil estar com Temer em 2018, que apoiem também nomes do PMDB contra DEM e PSDB para evitar fortalecê-los.

Não deu Amigo de Temer e um de seus principais conselheiros, Gaudêncio Torquato enterra a possibilidade de a candidata do PMDB, Marta Suplicy, ir para o segundo turno em São Paulo. “Minha projeção é Doria e Russomano.”

Vermelhou Ele critica a campanha da peemedebista por não ter feito o que chama de “massacre do 15” — número do partido. “Ela continua sendo aquela mulher de vermelho com o carimbo do 13 na testa”, diz Torquato.

Profeta Temer já havia ouvido o mesmo diagnóstico há dois meses, quando Chico Santa Rita, integrante do grupo de consultores de comunicação do presidente, disse que Marta teria problemas com a “falta de clareza de seu posicionamento político”.

Na fila O Ministério Público apresentou mais uma representação na Justiça Eleitoral contra os tucanos João Doria e seu candidato a vice, Bruno Covas. O promotor José Carlos Bonilha diz que eles fizeram propaganda eleitoral irregular em culto da Assembleia de Deus do Brás.

Casa de ferreiro O candidato a vereador João Jorge (PSDB), que é pastor da igreja, também é alvo do pedido.

Artilharia Logo depois da eleição, o vereador Gilberto Natalini (PV) apresentará uma ação popular pedindo que a prefeitura paulistana seja ressarcida em R$ 20 milhões pelos “prejuízos causados pelo esquema de corrupção no Theatro Municipal”.

Papel passado Marx Beltrão (PMDB-AL), indicado para o Ministério do Turismo pela bancada da Câmara com as bênçãos de Renan Calheiros, circula um parecer de um ex-figurão do Ministério Público dizendo que a ação a que responde no STF tem cenário favorável à absolvição.

Agora vai Sua nomeação estava pendurada no Planalto por causa do processo, em que foi denunciado sob suspeita de falsidade ideológica.

Licença para voltar A indicação abre um precedente para que Romero Jucá, braço direito de Temer em diversos programas, também possa retornar ao ministério valendo-se de um parecer.

Coisas da vida Depois do parecer favorável a Beltrão, Renan convocou sessão do Congresso para terça-feira (4), a pedido do presidente da República, para votar a liberação de R$ 1,1 bilhão para o Enem e para o Fies. O Planalto estava aflito com a demora.

Tudo de novo Na terça também começa a via-sacra para a aprovação da PEC que limita os gastos do governo. O relator Darcísio Perondi (PMDB-RS) ficou de apresentar o texto nesta data.

Óleo e água O Planalto não nutre esperanças de chegar a algum tipo de denominador comum com as centrais sindicais na conversa marcada para terça sobre a reforma da Previdência.

Para boi dormir A ideia é usar o encontro para dizer que, ao menos, os trabalhadores foram ouvidos e informados das linhas gerais do projeto enviado ao Congresso.

Fui por aí Ministros ligados ao programa de concessões devem seguir em viagens internacionais em busca de investidores nos próximos meses. Além da ida a Londres na semana que vem, há previsão de giros pela China e pelo Japão até o início de 2017.


TIROTEIO

Não sou ministro, mas antecipo operação: no domingo, 144 milhões de agentes podem desbaratar núcleos de corrupção no país todo.

DE CHICO ALENCAR (PSOL-RJ), “anunciando” a fictícia Operação Consciuns Sententia, ironizando a fala de Alexandre de Moraes antecipando a Lava Jato.


CONTRAPONTO

Tudo junto e misturado

apode0110painell

Depois do debate da TV Globo, na noite desta quinta-feira (29), Gilberto Nascimento (PSC-SP) esperava seu carro na recepção da emissora. Para se proteger do frio, o deputado decidiu enrolar seu cachecol na cabeça.

Andrea Matarazzo, vice de Marta Suplicy (PMDB), aproximou-se e soltou:

— Olhando dali, achei que Luiza Erundina tivesse trocado de roupa — disse, aos risos, sugerindo ter confundido o deputado com a candidata do PSOL.

— Pô, Andrea, não avacalha — respondeu Nascimento.