Ministério Público pede cassação da candidatura de Doria e punição a Alckmin

Por Painel

Pedra no caminho O Ministério Público pediu à Justiça Eleitoral nesta segunda (26) a cassação do registro da candidatura de João Doria (PSDB), líder na corrida pela Prefeitura de São Paulo, por abuso de poder político. A ação também acusa Geraldo Alckmin de ter usado a máquina estadual a favor do afilhado. O promotor José Carlos Bonilha, responsável pelas eleições na capital, sustenta que o governador nomeou um secretário em troca de apoio a Doria. Não há prazo para o julgamento da ação.

Motivos O promotor cita também a participação do governador em atos eleitorais antes da oficialização da candidatura e diz ter havido “passividade” de Alckmin ao permitir o uso do slogan “Acelera SP”, cópia do nome de um programa do governo.

Outro lado 1 A campanha tucana afirmou que não havia sido notificada, mas que fará a defesa “na certeza de que não cometeu ilegalidade”.

Outro lado 2 Em nota, o governo diz ter tomado conhecimento da ação pela imprensa “menos de uma semana após o pedido de esclarecimento” do Ministério Público e que sua resposta será “suficiente para demonstrar a improcedência da ação”.

Troco Depois de a campanha de Doria hesitar em usar José Aníbal na TV, o senador acabou gravando para um candidato do PMDB à Câmara.

apode2709painell

Sai de baixo A fala de Alexandre de Moraes (Justiça) antecipando a ação da PF foi chamada no governo de “cala a boca, Magda”. Um membro do primeiro escalão diz que o palácio não precisa de porta-voz, mas de “corta-voz”.

Vento… As redes sociais fervilharam na sexta (23) com notícia de que José Serra havia mandado retirar do Itamaraty a bandeira do Mercosul.

… ideológico Após a confusão, o símbolo do bloco voltou a ser hasteado na segunda (26). A assessoria do chanceler nega um “complô de direita ou de esquerda”. Diz que a bandeira foi arrancada pela chuva e que os fuzileiros navais não tinham outra à mão.

Agora vai O presidente Michel Temer fechou acordo com Rodrigo Maia para votar já na semana que vem o projeto que flexibiliza regras para a legalização de recursos de brasileiros no exterior.

Menos é mais Em reunião com a equipe econômica, ficou definido que o relatório manterá o prazo para adesão em 31 de outubro e que a tributação será sobre o saldo de 2014 — e não sobre o fluxo de recursos movimentados, como queria a Receita.

Sem resposta Maia afirma que vai ignorar o recurso que Eduardo Cunha apresentou à Câmara contra a decisão que cassou o seu mandato.

Guichê errado O presidente da Câmara vai seguir a recomendação de sua área técnica, que ressalta não haver qualquer previsão regimental para o pedido de Cunha. “Ele não tem base legal.”

Em nome do pai Maia, que não tinha foto do WhatsApp até este fim de semana, incluiu um santinho da campanha de Cesar Maia (DEM) como imagem do perfil.

Pragmatismo Convocados por Temer para reunião nesta terça (27), líderes se irritaram em ter de deixar as campanhas em suas bases para ir a Brasília. “Quem me dá voto é prefeito, não o presidente”, diz um deputado.

Tudo e todos A data — às vésperas do primeiro turno — não foi consenso nem entre integrantes da articulação política do Planalto.

Visita à Folha Gilmar Mendes, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), visitou a Folha nesta segunda-feira (26), a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Luciano Fuck, secretário-geral da Presidência do TSE, e Giselly Siqueira, assessora de comunicação do tribunal.


TIROTEIO

A Lava Jato sabe exatamente aonde quer chegar. Começou com empreiteiros, entrou nos governos e não acaba antes de atingir o topo.

DE SILVIO TORRES, secretário-geral do PSDB, sobre a prisão de Antonio Palocci em mais uma fase da apuração do esquema de corrupção na Petrobras.


CONTRAPONTO

Fechado para balanço

No debate da Record, o prefeito Fernando Haddad (PT) criticava o adversário Celso Russomanno (PRB):

— Não é para amador. Não é uma pessoa que não sabe gerenciar um restaurante que vai tomar conta de São Paulo.

— Um bom gestor é aquele que fecha o seu negócio e paga as pessoas antes que a coisa quebre — diz Russomanno.

Na plateia, o presidente do PT paulista, Emídio de Souza, solta para os colegas de partido:

— O problema é que não dá para fechar a prefeitura.

Na cadeira de trás, Bruno Covas, candidato a vice de João Doria (PSDB), emenda:

— E nem dá para fechar para balanço.