TSE flagra 21.072 pessoas que, em situação aparente de pobreza, doaram R$ 168 milhões

Por Painel

Até onde não tem Ao cruzar informações, a Justiça Eleitoral vem desnudando o que suspeita ser uma nova frente de fraudes: doações milionárias de quem, aparentemente, nada tem. O TSE identificou 21.072 pessoas que, mesmo em situação de pobreza, transferiram juntas mais de R$ 168 milhões a campanhas municipais. Uma delas, cuja última renda conhecida é de 2010, doou R$ 93 mil. Outras dez desembolsaram mais de R$ 1 milhão, mas não têm renda compatível com tamanha generosidade.

Não está batendo Segundo o TSE, há ainda um grupo considerável de doadores registrados como beneficiários do Bolsa Família ou sem terra. Os dados já foram remetidos ao Ministério Público para averiguação.

É festa Além das candidatas “laranjas” — mulheres lançadas na eleição apenas para cumprir a cota feminina — o TSE quer acabar com outra farra: funcionários públicos que se tornam candidatos só para ficar seis meses fora do serviço, recebendo salário.

Vasos comunicantes A Operação Greenfield, que investiga prejuízos em fundos de pensão, já pediu o compartilhamento de informações apuradas pela Lava Jato.

Devastador Embora as atenções ainda estejam voltadas para Curitiba, um importante investigador faz o alerta: logo logo virão “bombas” de lugares inesperados.

Tesourada geral Nem o programa que será tocado por Marcela Temer escapou do ajuste. O Ministério do Desenvolvimento Social estimava em R$ 1 bilhão o gasto do primeiro ano do “Criança Feliz”, mas foram reservados R$ 300 milhões no Orçamento.

Tá bom assim A pasta diz que a garantia do recurso em 2017 já é satisfatória e que o valor ainda pode crescer com remanejamentos e emendas parlamentares.

marcelatemer

Via rápida Marcela despachará do gabinete que era ocupado por Giles Azevedo durante o governo Dilma Rousseff. É o único com acesso direto ao da Presidência.

Pacificar O entorno de Temer tem aconselhado o presidente a não entrar no Fla-Flu com PT e movimentos sociais. Aliados acham que ele só perde se comprar a briga.

Dá tempo? Mesmo na agenda do Planalto, a PEC do teto de gastos não terá passado nem pela comissão que a analisa na Câmara antes do primeiro turno da eleição.

Paz e amor Telmário Mota (PDT-RR) — que causou ira em Dilma após apoiar o impeachment — deu um buquê de flores brancas a Vanessa Grazziotin (PC do B-AM). Foi uma homenagem à colega de Senado, agredida num voo.

Agrado ilógico Ministro da Indústria de Dilma, Armando Monteiro (PTB-PE)critica as mudanças na Camex. Para ele, dar a secretaria-executiva do órgão para o Itamaraty não faz sentido e parece ser apenas um gesto para homenagear José Serra.

Ele é meu A entrada de Geraldo Alckmin na campanha de João Doria em São Paulo tem alvo: pesquisas do PSDB indicam que a maior parte dos que aprovam o governo do Estado diz votar em Celso Russomano (PRB).

Não zombarás Um projeto em tramitação na Câmara Municipal de Porto Alegre propõe “prisão perpétua em clínica psiquiatra” a quem “for sarcástico com animais”. O vereador Rodrigo Maroni também quer a mesma pena para quem enterrá-los vivos.

Questão humanitária A proposta é justificada, segundo o parlamentar, porque hoje os animais domésticos são considerados membros da família. Assim, o projeto poderá “salvaguardar dos malfeitores os animaizinhos”.

Visita à Folha Juliano Seabra, diretor-geral da Endeavor Brasil, visitou a Folha nesta quinta (8). Estava acompanhado de Bárbara Freiris, assessora de comunicação.


TIROTEIO

É o Trump paulistano. Tudo nele é ‘fake’.Na TV, copiou o americano. Na campanha, copia propaganda do Ipiranga e marca de Alckmin.

DE FLÁVIO CAETANO, coordenador jurídico da campanha de Haddad (PT), sobre João Doria, que apresentou “O Aprendiz”, estrelado nos EUA por Trump.


CONTRAPONTO

Das minhas

Amiga de Dilma Rousseff e uma das principais defensoras da petista no impeachment, Kátia Abreu (PMDB-TO) passou dias conversando com a ex-presidente durante a tramitação do processo no Congresso.
Ao ouvir histórias sobre os tempos da ditadura, a senadora reagia sempre entre assustada e admirada.
Numa das ocasiões em que Dilma rememorava o que passou, diante de um relato feito sobre a tortura dos tempos militares, a peemedebista comentou:
— Nossa, eu não aguentaria um beliscão desses…
Dilma contestou:
— Você seria uma das que mais aguentariam, Kátia…