Campanha de Doria consulta eleitores da classe C para testar impacto de apelido de ‘coxinha’

Por Painel

Pode chamar Sondagem feita pela campanha de João Doria (PSDB) em São Paulo com eleitores de classe C surpreendeu a equipe: a maior parte não soube dizer o que significava “ser coxinha”.

Acertei? Alguns entrevistados chegaram a dizer que era uma referência a policiais, em alusão à maneira pejorativa como os militares são tratados em parte da cidade.


TIROTEIO

É uma atitude cara de pau. Um senador da Rede pediu para fatiar o impeachment. E o candidato dela no Rio é defensor da Dilma.

DE EDUARDO CUNHA (PMDB-RJ), sobre Marina Silva, aliada de Randolfe Rodrigues e Alessandro Molon, ter dito que irá ao STF para barrar o fatiamento.


CONTRAPONTO

Nem Santos Dumont encararia

Na primeira viagem do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Davos, o petista não cabia em si de tanta felicidade. Até o avião presidencial ele queria elogiar.
Coube a Henrique Meirelles, escalado na época para comandar o Banco Central, acabar com a alegria do novo chefe.

— Quando eu presidia o BankBoston, voava em um avião que havia sido de um rei. As pias eram de ouro… — exibiu-se Meirelles.

Diante de olhos arregalados, um outro passageiro aproveitou para desdenhar do modelo nacional.

— Já isso aqui é um teco-teco, presidente!