Agentes fiscais acusam governo Alckmin de ferir Lei de Responsabilidade Fiscal e entram com ação

Por Painel

Pedalou? Agentes fiscais apresentaram ação popular contra o governo Alckmin. Dizem que há “ofensa grave” à Lei de Responsabilidade Fiscal com potencial de “comprometimento das contas e das finanças das administrações que estão por vir”.

Alvos O problema seria o uso da CPSEC (Companhia Paulista de Securitização) pelo governo tucano para maquiar suas contas. A ação é movida contra o Estado de São Paulo e contra ex-secretários de Fazenda de Alckmin.

Te lembra algo? A Secretaria de Fazenda paulista afirmou que as alegações “não correspondem à realidade” e que as operações contam com autorizações de “todos os órgãos que regulamentam o sistema financeiro nacional”.

Motivos A Prefeitura de São Paulo diz que o promotor Marcelo Milani age em retaliação por ter sido acusado por Fernando Haddad. Questiona por que José Herencia cita o petista justo a Milani a 30 dias da eleição, sendo que, em um ano, não o havia feito.

Nada Milani nega motivo eleitoral. “Sou ecumênico”, diz, ressaltando já ter investigado políticos do PSDB e do PSD.


TIROTEIO

Dilma Rousseff já é página virada da história. Mais uns três dias e ninguém se lembra dela. Nem o próprio PT.

DO MINISTRO GEDDEL VIEIRA LIMA (Secretaria de Governo), reagindo ao discurso da petista após a aprovação do impeachment no Senado.


CONTRAPONTO

Cadeira cativa

Pouco antes de começar a primeira reunião ministerial de Michel Temer como presidente definitivo, Romero Jucá (PMDB-RR), titular do Planejamento nos primeiros doze dias de interinidade, deixava o Senado apressado:
— Preciso trocar uma palavra rápida com Michel — explicou-se.
Questionado se, na verdade, não ia à reunião de ministros — levando em conta que ele é tido como titular oculto do Planejamento — o senador gaguejou, tentou desconversar, mas acabou se entregando:
— Tentei driblar, tirar de um lado, tirar do outro, mas não deu. Vou participar, sim.

Leia mais notas aqui.