PT tende a abandonar Dilma caso seja derrotada no impeachment, dizem aliados da presidente afastada

Por Painel

Utilitarista, eu? Dilma Rousseff tende a ser “demonizada” pelo PT caso o impeachment seja aprovado pelo Senado, vaticinam alguns de seus fiéis aliados. A cúpula do partido, que nunca caiu de amores pela presidente afastada, agora se distancia à luz do dia, como no embate sobre a proposta de plebiscito. O abandono crescente faz amigos arriscarem um palpite: ela terá da sigla o mesmo tratamento dado a Luiza Erundina ao deixar a Prefeitura de SP. De tão isolada, teve de se divorciar da legenda.

Esse aí passou No encontro com Dilma na semana passada, Renan Calheiros reiterou que não votaria no julgamento do impeachment. Após a briga com petistas, porém, ninguém mais acredita. “Já não contamos com a abstenção dele”, diz um auxiliar.

Esperando na janela A ida da presidente afastada ao Senado não terá pompa, mas manterá alguma circunstância. Renan irá recepcioná-la na entrada do Congresso, a chamada chapelaria, e ofereceu seu gabinete para abrigá-la nos intervalos da sessão.

Alô, presidente Deputados que receberam telefonemas de Eduardo Cunha pedindo voto contra a sua cassação dizem que balançaram.

Deixa quieto Se antes o Congresso indicava reverter a lei que impede doações empresariais, agora, líderes do Legislativo dizem que dificilmente a norma será revogada.

Puro medo O motivo é menos republicano e mais prático: as empresas têm dito aos políticos que, mesmo desimpedidas, não doarão tão cedo para os candidatos.

Nós pagaremos Com isso, Câmara e Senado passam a pender para o financiamento público de campanha. “As empresas vão se afastar da política pelas próximas três ou quatro eleições”, diz à coluna o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Leia mais notas aqui.