Planalto também quer adiar votação que analisará cassação de Cunha

Por Painel

Ainda penso em ti Não são só os aliados públicos de Eduardo Cunha que trabalham para adiar a votação de sua cassação para depois do dia 12 de setembro. O Planalto também quer jogar a sessão para depois das eleições.

Pode vir quente As estocadas do centrão em Rodrigo Maia podem ter um efeito negativo para o governo. O presidente da Câmara não pretende deixar seu mandato tampão passar em branco.

Que estou vermelho Se parte da base complicar sua vida, como vira e mexe ameaça o centrão, Maia pode se reaproximar da esquerda que o ajudou a se eleger — o que poderia distanciar a agenda da Câmara da do Planalto.

Hierarquia O Planalto passou os primeiros 90 dias de Temer louvando a figura de Henrique Meirelles (Fazenda). Com o impeachment praticamente vencido, o tom mudou: “Ele é importante, mas o presidente é importantíssimo”, compara um palaciano.

Pote de mágoa Newton Cardoso Jr (PMDB-MG), que permaneceu por cerca de três horas como indicado ao Ministério da Defesa de Temer, tem dado dor de cabeça ao Planalto: quando não está ausente do plenário da Câmara, tem votado contra o governo.

Aguenta coração Petistas começam a se preocupar com o pós-Dilma. Acham que, com as rusgas acumuladas entre ela e o partido, a presidente pode deixar o Palácio da Alvorada contando poucas e boas da sigla.

Conta outra Em entrevista à coluna, Dilma foi contra a proposta de um acordo de leniência entre o PT e a Justiça.

Leia mais notas aqui.