Com doações anteriores sob suspeita, Haddad vai produzir cartilha com regras de arrecadação

Por Painel

Ecos do passado Na tentativa de afastar suspeitas sobre doações irregulares, Fernando Haddad (PT) lançará no início de agosto uma cartilha com regras de transparência que ele pretende adotar para a arrecadação de recursos em sua campanha.

Segue o jogo Apesar da decisão da Justiça de que não houve propaganda antecipada em um jantar de João Doria (PSDB), o Ministério Público celebrou a decisão de que o vídeo com o discurso do candidato tucano foi considerado uma prova válida.

Me inclua fora A fala de Geraldo Alckmin, de que o fato de o PRB ocupar uma pasta em seu governo mostra que não há uso da máquina em favor de Doria, contrariou aliados de Celso Russomanno. O posto, dizem, é fruto de acerto na eleição passada.

Barata voa A ideia da Fazenda de reduzir a isenção para remessas do exterior tem como pano de fundo a proliferação de pedidos pela internet. A Receita tem dificuldades em distinguir o que vem de pessoas físicas do que é enviado por empresas.


TIROTEIO

O momento é de reduzir a capacidade ociosa da indústria, mas não dá para apostar em algo que leve a União a abrir mão de receita.

DO DEPUTADO ROGÉRIO ROSSO (PSD-DF), sobre a diferença nas propostas apresentadas por ele e por Paulo Skaf (Fiesp) a Henrique Meirelles (Fazenda).


CONTRAPONTO

Só sucesso

Em seu discurso durante a convenção do PT que selou a candidatura de Fernando Haddad à reeleição, o ex-presidente Lula não economizou nas piadas.

— Na campanha passada, você só tinha 3%. Só se falava em 3%, 3%, 3%. Parecia candidato em liquidação disse ao prefeito, rememorando o início da corrida eleitoral de 2012 quando Haddad ainda era desconhecido.

Em seguida, o ex-presidente arrematou:

— Agora mudou. Você e o Chalita já são mais conhecidos que doença ruim! — brincou referindo-se a Gabriel Chalita, ex-secretário municipal de Educação que compõe a chapa de Haddad como vice.

Leia mais notas aqui.