Delcídio do Amaral deve prestar novo depoimento à Lava Jato para falar só de Renan Calheiros

Por Painel

O cerco O ex-senador Delcídio do Amaral deve ser convocado novamente a prestar depoimento à Procuradoria-Geral da República. Investigadores buscam mais detalhes sobre a relação entre o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e o lobista Milton Lyra. Miltinho, como é conhecido, já foi citado por delatores da Lava Jato como suposto operador do presidente do Senado no Postalis, o fundo de pensão dos Correios. Delcídio falará como Lyra operava. A data da oitiva ainda não foi marcada.

Nós e eles Nove partidos do centrão fecharam com o PMDB um acordo de apoio mútuo no segundo turno da eleição para a presidência da Câmara. O acerto dificultará a vitória de um outsider.

Há controvérsia A costura foi feita em almoço das siglas na casa de Jovair Arantes (PTB), nesta segunda. “Entendemos que esse projeto de união do centrão com o PMDB consolida a base do governo”, assegura o anfitrião.

Tudo em família Com o apoio do PT a Rodrigo Maia (DEM) subindo no telhado, Fernando Giacobo (PR) volta a crescer como opção à Câmara. Assim como Rogério Rosso (PSD), é cria do centrão — embora não tenha o respaldo de Eduardo Cunha.

Muy amigo Além de dividir com Rosso o bloco formado por partidos do baixo clero, Giaboco ainda é visto como o mais infiel entre os candidatos favoritos. Derrotou o governo na votação que priorizava a tramitação da renegociação da dívida dos Estados.

Mistério E em meio à confusão na Câmara, Waldir Maranhão, cabo eleitoral de Rodrigo Maia, resolveu fazer uma visitinha a Dilma Rousseff. O encontro ocorreu na noite de segunda, no Alvorada, após o PT recuar no apoio a candidato do DEM.

Barulho por nada O PT teve dificuldade de chegar a um consenso até mesmo sobre o local da reunião em que decidiria sobre quem apoiar na eleição. Uns queriam o encontro na sede do partido, o que acabou ocorrendo. Outros preferiam a Câmara.

apode1207painellva (1)De pedra Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa, disse à Lava Jato que a contabilidade do esquema de corrupção no banco era chamada de “Dívidas com Maluco”. O “maluco”, no caso, era Lúcio Funaro, apontado por Cleto como operador de Cunha.

À espera de Janot Empresários aguardam ansiosos pela manifestação da Procuradoria-Geral da República sobre a lei de repatriação de recursos no exterior. Querem mudanças na norma.

Ai meu saldo Dois casos nas mãos do STF têm potencial para dar alívio ou restringir ainda mais os cofres dos municípios. A corte decidirá se franquias e operadoras de planos de saúde têm de pagar ISS (Imposto sobre Serviços).

Um, dois, três… deu Indústria e agricultura se uniram para tentar derrubar um acordo que há 40 anos dá exclusividade no comércio marítimo entre Brasil e Chile a navios desses dois países.

Ajude-nos Em carta enviada ao chanceler José Serra, os presidentes da CNI e da CNA dizem que, por causa do acerto, o setor produtivo convive com fretes elevados ou “mesmo proibitivos”.

Me arrependi Se, antes, demonizava o fechamento da Paulista, João Doria agora faz até planos para a avenida: “Quero colocar música. Shows de MPB, choro. Tudo com dinheiro privado, claro”.

Reforma Marcelo Calero (Cultura) entregou ao Planejamento proposta de restruturação do ministério. A Secretaria de Economia Criativa será substituída pela pasta de Economia da Cultura. Haverá um departamento para tocar exclusivamente projetos de acessibilidade.

Veja bem Helena Nader nega ter recebido telefonema de Michel Temer. Diz que permaneceu à frente da SBPC devido ao “apelo unânime” do conselho da instituição e à aclamação de sua assembleia.

Palácio A informação sobre o telefonema foi dada pela assessoria de comunicação do Planalto. O órgão afirma que, após passar a notícia, Temer desistiu de ligar.


TIROTEIO

De que adianta internet se as pessoas passam horas para agendar uma consulta médica? É preciso estar online com os cidadãos.

DA SENADORA MARTA SUPLICY (PMDB-SP), sobre proposta do rival Celso Russomanno (PRB-SP) de colocar acesso à internet na cidade inteira.


 

CONTRAPONTO

No plenário do Senado, na quinta-feira (7), Cristovam Buarque (PPS-DF) falava sobre a taxa de juros praticada durante o governo da presidente afastada, Dilma Rousseff, quando pediu licença para fazer um comentário sobre o colega Lindbergh Farias (PT-RJ):

— Senador, acho que um dos problemas do governo foi ter escutado muito as suas sugestões econômicas.

Lindbergh, que faz parte da tropa de defesa de Dilma Rousseff no processo de impeachment, divertiu-se com a intervenção e respondeu:

— Há o esforço, senador Cristovam… Mas eu não tinha esse prestígio, não…