Sarney Filho recebeu reembolso da Câmara por gasto feito quando já estava licenciado

Por Painel

Cheque pré-datado O ministro Sarney Filho (Meio Ambiente) foi reembolsado pela Câmara por um pagamento de R$ 16,4 mil feito quando ele já estava licenciado do mandato e já havia assumido o cargo na Esplanada de Michel Temer. Segundo a nota fiscal apresentada, o valor foi recebido pela Play Áudio Produções em 13 de maio — dia posterior à sua nomeação — para que imprimisse 10 mil informativos de suas ações no mesmo mês, dentro da cota para divulgação da atividade parlamentar.

Te conheço O dono da empresa trabalhou na Secretaria de Comunicação do Maranhão durante os quatro anos de governo da irmã do ministro, Roseana Sarney.

Simples assim Em nota, Sarney Filho afirmou que o serviço foi prestado pela produtora antes de seu afastamento e que o pagamento “coincidiu ter ocorrido” quando ele já estava licenciado do cargo de deputado federal.

Preto no branco O ato que regulamenta o reembolso determina que “o direito à utilização da cota se restringe ao período de efetivo exercício do mandato” parlamentar.

É minha Waldir Maranhão decidiu se sentar na cadeira de presidente da Câmara. O interino demitiu a chefe de gabinete de Eduardo Cunha e avisou que, assim como Temer fez quando assumiu o lugar de Dilma Rousseff, quer renovar a equipe toda.

Com tudo A interlocutores ele disse que pretende imprimir sua agenda sem se importar se a interinidade vai durar cinco dias ou dois meses.

Vai que cola Emissários de Temer fizeram consultas a deputados para saber como Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) seria recebido para o lugar de Cunha. Apesar da sondagem, o Planalto jura que não vai ser meter na sucessão.

apode2406painel

Perdeu Um dos últimos eventos de Paulo Bernardo antes da prisão foi a festa junina de Kátia Abreu (PMDB). O petista passou pouco tempo no arraial. Nem teve chance de ouvir Tiririca (PR) cantar.

Espera sentado Brasil, Argentina e Paraguai não estão nada dispostos a comparecer à reunião do Mercosul, em Montevidéu, no início de julho. Motivo: não querem participar da solenidade de posse da Venezuela como presidente do bloco.

Mande lembranças Os três países tentaram adiar o encontro, mas o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, resiste em postergar a reunião. O Planalto já avisou que o presidente interino, Michel Temer, e o chanceler José Serra não darão o ar da graça.

Te gusta? Empresários querem convencer o governo a dar desconto no imposto cobrado para a repatriação de recursos caso o dinheiro seja aplicado em projetos de infraestrutura. Inspiram-se em medida adotada recentemente pelo governo argentino.

Durango A ideia é baixar a alíquota do Imposto de Renda para 10%. A equipe econômica aguarda que a proposta chegue oficialmente. Alerta, porém, que o maior problema da União hoje é arrecadação.

Sem ostentação O novo comando Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial decidiu cortar o valor das diárias em viagens para o exterior. O limite da verba cairá de US$ 700 atual para US$ 450. Voos em classe executiva serão proibidos.

Triturador O Ministério da Justiça prepara medida provisória autorizando que uma série de documentos da União sejam armazenados apenas em formato digital. Quer, com isso, economizar em espaços que hoje são alugados apenas para esse fim.

Só no sapatinho Sucessivos embates sobre estratégia fizeram o advogado Eugênio Pacelli deixar a defesa de Renan Calheiros. Ele queria rebater despachos do Ministério Público, mas o presidente do Senado achou melhor evitar mais confronto.


TIROTEIO

Mais fácil camelo passar pelo fundo de uma agulha que a Frente Brasil Popular defender a antecipação da eleição presidencial.

DE RAIMUNDO BONFIM, coordenador da Central de Movimentos Populares, sobre a relutância do grupo, do qual fazem parte PT e MST, em apoiar a ideia.


CONTRAPONTO

Cri cri cri

O cantor Supla foi visitar sua mãe, Marta Suplicy (PMDB-SP), em Brasília. Ao sair do apartamento da senadora, foi abordado por um grupo de jornalistas que davam plantão na portaria — no local, moram outros políticos, como o ex-ministro Paulo Bernardo, preso pela Polícia Federal naquela manhã.
Os repórteres pediram a Supla algum comentário. Ao se ver cercado por microfones, o roqueiro fitou os jornalistas e anunciou uma condição para que falasse:
— Qual o nome do meu disco? Quem aqui sabe o nome do meu disco?!
Silêncio sepulcral.