Industrial disse que membro da CPI do Carf lhe cobrou R$ 1 milhão; PSDB pedirá investigação

Por Painel

CPI da CPI O industrial que procurou Hildo Rocha (PMDB-MA) para reclamar do achaque de membros da CPI do Carf disse ao deputado que lhe foi pedido cerca de R$ 1 milhão para que não fosse chamado à comissão. O PSDB vai pedir à Procuradoria-Geral que apure o caso. Parlamentares de diferentes siglas dizem que há tempos as comissões de inquérito perderam a capacidade de investigação e servem apenas para que colegas usem o poder de convocar supostos alvos em benefício próprio.

Bobeou, dançou Parlamentares afirmam que Rocha pode se complicar caso não identifique o autor da chantagem. O ex-deputado Roberto Jefferson acabou sendo cassado por, entre outros motivos, ter denunciado o mensalão sem apresentar provas.

Missão dada Em reunião no domingo (19), caciques do “centrão” e do PMDB decidiram trabalhar pela candidatura de Rogério Rosso (PSD-DF) à sucessão de Eduardo Cunha. O deputado, interessado no cargo em 2017, ainda refuta o mandato tampão.

Pelo rodízio O PSDB se dispõe a apoiar Rosso para o posto, mas desde que o aliado se comprometa a não trabalhar pela candidatura de outro nome do “centrão” na eleição do ano que vem.

Parte do meu show Dilma não deve comparecer à Comissão do Impeachment no depoimento previsto para o dia 5 de julho. Mas não descarta falar aos senadores na etapa final do processo, antes do julgamento no plenário.

Todas por uma As “donzelas da torre”, amigas de Dilma dos tempos da ditadura, irão capitanear a iniciativa de arrecadar dinheiro na internet para as viagens da presidente afastada após o governo interino cortar seus deslocamentos em aviões da FAB.

meirelles

Salvando a lavoura De Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), entusiasmado com o desempenho do chefe da equipe econômica : “Vou colocar o retrato de Henrique Meirelles no lugar da foto de Dilma de tão bem que ele está indo na Fazenda”.

Só a toga salva Petistas tomaram um susto ao abrir uma pesquisa interna de intenção de voto para o Planalto. Realizada na cidade de SP entre o fim de maio e o início de junho, a sondagem mostra Sergio Moro no topo da lista de presidenciáveis, com 14%.

Eu, tu, eles Marina Silva aparece na segunda posição (12%), seguida por Lula (11%), Geraldo Alckmin (10%) e José Serra (10%).

Até tu, Brutus Michel Temer e Eduardo Cunha também pontuam, mas estão tecnicamente empatados, com 2% e 1%, respectivamente. O ex-ministro Ciro Gomes tem 4%, e Jair Bolsonaro, 3%.

Troco O PT fará um pente fino nas estatais para localizar diretores que não se enquadram na nova lei e pedir providências à Justiça. O alvo principal é Guilherme Campos, dos Correios, dirigente do PSD de Gilberto Kassab.

Ressaca No mais evidente sinal de crise, o PT terá poucos nomes na disputa pelas prefeituras das capitais do Brasil. Até agora, há apenas sete candidatos já confirmados para São Paulo, Recife, Fortaleza, Curitiba, Manaus, Porto Alegre e Rio Branco.

Embolou Pesquisas internas feitas pelo grupo do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, confirmam o quadro pulverizado pelo segundo lugar. As sondagens já apontavam perda de votos com a entrada de Luiza Erundina.

Copo meio cheio Pré-candidato a prefeito, Andrea Matarazzo (PSD) ficou satisfeito com a pesquisa Ibope.

Ou meio vazio Não que tenha se destacado. Como os rivais, ficou “tecnicamente empatado”, atrás de Celso Russomanno (PRB). Mas celebrou a alta rejeição de Marta Suplicy (PMDB). A interlocutores, disse esperar que, assim, parem de levantar a ideia de ele ser o vice da senadora.


TIROTEIO

É lamentável como o presidente interino trata uma denúncia de corrupção em seu governo. Coitado mesmo é do povo brasileiro.

DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES (REDE-AP), sobre Temer dizer que sente pena de Mendonça Filho (Educação), ministro suspeito de receber propina.


CONTRAPONTO

Pernas, pra que te quero

O empresário João Doria, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, passeava pelo comércio da Vila Joaniza, na zona sul da capital, em evento de sua pré-campanha. Como cicerone, estava Elizabeth Conceição Lanci, mais conhecida como Beth de Cidade Ademar, militante e uma das fundadora do PSDB.
Era a primeira vez que via o candidato do partido e ficou desconfiada:
— Ele é magrinho, né? — comentou com um auxiliar do tucano, que assentiu, achando graça.
— E com essas “canetinhas”… ele dá conta? — completou Beth, referindo-se ao porte esguio de Doria.