Deputados já falam em reajustar o próprio salário, que passaria para R$ 39,3 mil

Por Painel

Também quero Após a aprovação, na Câmara, do reajuste salarial de diversas carreiras, deputados deflagraram movimento para elevar os próprios rendimentos. Ficaram animados com o aumento de 16% concedido aos ministros do STF, cujos salários passaram a R$ 39,3 mil. O vencimento de um magistrado da corte é o limite do que podem ganhar os parlamentares. A articulação, ainda reservada, esbarra num efeito colateral: um aumento em seus salários fatalmente despertará a ira do eleitorado.

Holerite Congressistas ganham R$ 33,8 mil — o salário atual dos ministros do STF, que deve sofrer reajuste.

Cruz e caldeirinha O Planalto morre de medo que o aumento para congressistas ganhe força. De um lado, avalia que o desgaste social também atingiria Temer. De outro, antevê dificuldade de brecar a medida diante da necessidade de aprovar reformas.

No limite Aliados muito próximos de Eduardo Cunha passaram a defender de forma veemente que ele renuncie à presidência da Câmara para salvar seu mandato.

É o jeito No roteiro pensado por três membros de sua “tropa”, ele abriria mão do cargo após o Conselho de Ética derrotar o relatório que pediu sua cassação. Seria a única forma de conseguir os 257 votos em plenário e aprovar uma pena mais branda.

Nem pensar Eduardo Cunha manda às favas qualquer um que lhe sugira a renúncia.

apode0506painel (1)Até que enfim De um aliado de Dilma: “Sabe quem vai conseguir fazer a reforma política nesse país…? Sérgio Machado!”, referindo-se ao delator que complicará muito a vida de graúdos do PMDB.

Mais que isso A Lava Jato não encara as declarações do senador Renan Calheiros nos áudios de Sérgio Machado como mera “opinião”.

Entrelinhas Para integrantes da investigação, as gravações que registraram comentários do senador são tão ou mais graves que o grampo de Delcídio do Amaral.

Sem víveres O Palácio da Alvorada contesta a informação da Secretaria de Governo. Diz que a verba para compra de comida, suspensa desde quarta, ainda não havia sido liberada na manhã de sábado.

Alguém não leu Auxiliares de Dilma notam que o parecer jurídico da Casa Civil foi emitido no dia 1º e mesmo assim o corte na alimentação foi feito. A espera do parecer foi usada como desculpa para a suspensão.

Vaso quebrado Amigos dizem que Jaques Wagner, ex-ministro da Casa Civil de Dilma, anda distante da ex-chefe. Vai a Brasília, mas faz questão de não dar o ar da graça no Palácio da Alvorada.

Corram Na expectativa de novas delações, um operador político resumiu o clima da semana em Brasília: “A boataria era tão grande que se temia até que o porteiro do anexo I da Câmara fosse preso!”.

Esfinge Já um chefão da Lava Jato prevê o clima dos próximos dias: “A princípio, a semana será calma, mas sujeita a chuvas e trovoadas”.

Concurso vem aí? Integrantes do governo alertam que ao menos os cargos para técnicos administrativos em educação podem ter de ser abertos logo mais. Faltam funcionários em universidades. A Câmara criou quase 5.000 postos deste tipo.

Dúvida O ministro José Serra terá de decidir se apoiará Susana Malcorra, chanceler argentina, ou António Guterres, ex-premiê português, para o cargo de secretário-geral da ONU. Diplomatas brincam que estão entre “los hermanos” e “los padres”.

Não está fácil Enquanto o governo se esforça para acalmar estrangeiros e convencê-los a injetar recursos no país, investidores reclamam que os preços ainda estão altos por aqui. Empresários relutam em dar descontos.


TIROTEIO

A equipe econômica de Temer acendeu uma luz no fundo do túnel. Dilma a apagaria no dia seguinte. Por isso, haverá o impeachment.

DO SENADOR JOSÉ AGRIPINO (DEM-RN), presidente nacional do partido, sobre o peso do time econômico do governo interino na decisão do impeachment.


CONTRAPONTO

No dia em que Marcos Rogério (DEM-RO) entregou seu relatório sobre Eduardo Cunha no Conselho de Ética, Chico Alencar (PSOL-RJ), notório crítico do peemedebista, se apressou para tirar fotos com o texto em mãos.
Ao ver a cena, o presidente do colegiado, José Carlos Araújo (PR-BA), foi logo cortando o barato dos parlamentares que estavam interessados no conteúdo do documento. Disse-lhes que o voto estava guardado no cofre e apenas a secretária do Conselho tinha a chave.
Conhecido por suas tiradas, Chico Alencar aproveitou a deixa e declarou:
— A secretária e, possivelmente, o Sérgio Machado!