TCU abre duas novas frentes de investigação contra governo Dilma

Por Painel

Problemas em série O TCU abriu duas novas frentes de apuração contra Dilma Rousseff. O tribunal acolheu pedido do Ministério Público de Contas para averiguar se a petista infringiu a Lei de Responsabilidade Fiscal em 2016 ao acelerar o gasto de dinheiro público com despesas discricionárias — aquelas que o governo não tem obrigação de executar. Também decidiu autorizar a análise das nomeações feitas no apagar das luzes diante de indícios de desvio de finalidade. O caso corre em sigilo.

Não dá O Ministério Público de Contas considerou “atípico” que, uma semana após um contingenciamento bilionário, o Planalto tenha publicado edição extra do “Diário Oficial” ampliando limites de desembolso a ministérios e a operações de empréstimo.

Vai ser pior A equipe econômica de Michel Temer tem dito que o deficit fiscal de R$ 160 bilhões “é piso”.

Esperto Quem conhece Romero Jucá (Planejamento) atesta: ele não vai entrar em briga com seu colega da Fazenda, Henrique Meirelles.

Apoiado O sinal de Meirelles sobre mexer nas aposentadorias de quem já está no mercado de trabalho foi bem recebida por empresários brasileiros reunidos em Nova York. “Não tem jeito. Ou o Brasil quebra”, alertou Fábio Hering, da Hering.

Não vem, não No Congresso, porém, não há aplausos. Caciques da Câmara e do Senado ligados ao governo Temer classificam como praticamente impossível tocar nesse vespeiro agora, sobretudo em ano de eleições.

Guerrilha A proposta de uma reforma profunda nas aposentadorias conseguiu unir CUT, Força Sindical e UGT, que articulam resistência conjunta. A UGT irá propor uma CPMF exclusiva para cobrir o rombo previdenciário, em troca do fim da Cofins.

Revoada O PSDB não gostou nada de André Moura (PSC-SE) ter dito que chegou ao posto por indicação dos partidos do centrão. As coisas podem desandar para Temer se os tucanos não se sentirem representados pelo novo líder do governo.

Resignação Familiares de José Dirceu dizem que o ex-ministro já esperava pela pesada sentença do juiz Sergio Moro. Apesar do baque e de alguns problemas de saúde, o petista passa bem.

É comigo Moreira Franco deverá criar, em duas semanas, um fundo com recursos do BNDES para custear estudos de viabilidade econômica das próximas concessões. Com a regra, os vencedores não poderão mais usar estudos próprios nos projetos.

Muita calma Após Temer escolher o deputado André Moura (PSC-SE) como líder do governo na Câmara, o rival Rodrigo Maia (DEM-RJ) assim reagiu: “Seria fácil criticar, mas sempre defendi que a decisão era do presidente. E eu respeito”.

Será?! Paulo Skaf encontrou Geraldo Alckmin para impedir uma facada na indústria. O presidente da Fiesp pediu que o governador de SP não altere o prazo de recolhimento da substituição tributária de 60 dias para 25, o que reforçará o caixa. Alckmin ficou de pensar.

‌Te engane-ei Uma viatura da Polícia Federal estacionou em um dos anexos da Câmara nesta quarta (18) e deixou deputados de cabelo em pé. Mas era alarme falso.

Sinal dos tempos Servidores da gestão Dilma que se mantiveram no governo até agora adquiriram novo hábito: passaram a consultando avidamente o “Diário Oficial da União” antes de sair de casa. Querem saber se ainda precisam ir trabalhar.

Sabe tudo O Palácio do Planalto justifica ter demitido o garçom José Catalão pela desconfiança de que ele pudesse passar ao grupo de Dilma Rousseff informações que, entre um café e outro, ouvisse dentro dos gabinetes.


TIROTEIO

Quer dizer, então, que o mordomo decidiu demitir o mordomo? Seria muito engraçado se não fosse triste.

DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES (Rede-AP), sobre a demissão do garçom José Catalão do gabinete presidencial pela equipe do interino Michel Temer.


CONTRAPONTO

Propaganda além-mar Em evento para investidores nos EUA, Luiz Fernando Furlan fazia o papel de mestre de cerimônias, intermediando perguntas ao palestrante da manhã, o governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB).
Furlan parou para explicar que assumiu a direção do Lide, grupo fundado por João Dória e que organiza o evento, porque o “chefe” disputará a Prefeitura de São Paulo. E passou a tecer elogios. Taques interrompeu:
— Veja bem, sem campanha, ou é crime eleitoral! —disse, do púlpito, para risos da plateia.
Furlan retrucou:
— Aqui em Nova York temos poucos eleitores, vai…