Acompanhado apenas de sua mulher, Cunha assistiu à decisão do STF praticamente calado

Por Painel

A queda Eduardo Cunha assistiu praticamente calado à decisão do STF de apeá-lo da Câmara. No espaçoso sofá de quatro lugares da residência oficial, estavam só ele e sua mulher, Claudia Cruz, num contraste com o assédio dos últimos tempos. Cunha, um dos mais poderosos líderes da história do Legislativo, perdeu o reinado 18 dias depois de votar o impeachment de Dilma. No Palácio do Jaburu, o sentimento é dúbio: Temer pode ter se livrado de um peso, mas ficou sem sua locomotiva na Câmara.

Fast track Cunha era a garantia de que o vice conseguiria aprovar, a toque de caixa, propostas como a reforma da Previdência. “Ninguém manuseava a máquina de votos como ele. Dificuldades virão”, admite um fiel escudeiro de Temer.

Quem é? Cunha e Waldir Maranhão foram surpreendidos por oficiais de Justiça quase que simultaneamente, por volta das 6h da manhã. O primeiro deu chá de cadeira no emissário de Teori Zavascki enquanto tentava entender o que se passava.

Ponta solta Um recurso de Dilma para anular o impeachment resta pendente. Em petição de 25 de abril, o advogado-geral José Eduardo Cardozo requer que os autos do processo voltem à Câmara e que seja declarada a nulidade da votação.

Surpresa! Caberá agora ao novo presidente da Casa, que votou contra a deposição da petista, avaliar o pedido. “Com uma canetada, Maranhão pode agora levar o impeachment à estaca zero”, diz um aliado de Cunha.

Aponta o dedo O presidente de uma Câmara municipal da Bahia acusa José Carlos Araújo (PR-BA) de comprar votos na eleição de 2014. Ele apresentou uma gravação em que o chefe do Conselho de Ética da Câmara relata uma negociação de votos com um deputado estadual.

Grampeado “O cara tá querendo 100, mas dá pra gente regular. Regulamos, o cara fez por 75, três de 25. Fizemos o negócio e pagou o cara”, diz Araújo na gravação obtida pela coluna.

Defesa O deputado diz se tratar de retaliação do antigo aliado e que estava, na verdade, negociando valores para uma pessoa que faria sua campanha. “Pagamento pelo serviço, não pelos votos”, afirmou. O deputado estadual citado não foi localizado.

Deixa estar O PP refuta, por ora, expulsar Waldir Maranhão por ter votado contra o impeachment, o que forçaria novas eleições na Câmara. O partido não quer ter de tomar a mesma medida em relação a outros deputados.

Facada no peito Mais do que Maranhão ter sentado na cadeira de Eduardo Cunha, o que irritou mesmo aliados do peemedebista foram líderes das bancadas terem feito reunião com o então interino.

rubinho

Legado Após a decisão de Teori, circulou entre procuradores da Lava Jato, há muito incomodados com a demora do ministro, um “meme” no qual Rubinho Barrichello dizia: “Parabéns, Supremo!”.

Tudo em casa A ação proposta pela Rede ao Supremo contra Eduardo Cunha foi produzida pelo escritório Barroso Fontelles, Barcellos, Mendonça & Associados, banca da qual o ministro Luís Roberto Barroso era sócio.

Te conheço! Um dos advogados que assina o documento é Rafael Barroso Fontelles, sobrinho do ministro.

A fila andou Com a saída de Cunha, a linha sucessória encolheu. Se o presidente do Senado for inviabilizado, o substituto eventual de Temer será o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, que comandará o impeachment no Senado.

Cuida dela? Lula pediu a Renan que não deixasse a petista na chuva e visse o que pode ser concedido a ela após o afastamento. O presidente do Senado se reuniu com a petista na segunda (2).


 

TIROTEIO

Quem tanto fez para manipular as coisas a seu favor se vê, agora, atingido pelos próprios atos. O feitiço virou contra o feiticeiro.

DO DEPUTADO FAUSTO PINATO (PP-SP), que foi destituído por Waldir Maranhão da relatoria do processo contra Eduardo Cunha no Conselho de Ética.


 

CONTRAPONTO

Dormiu comigo?

Por volta das 7h desta quinta-feira (5), antes, portanto, da notícia do afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se tornar pública, o deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) avistou Waldir Maranhão (PP-MA) na rua. Os dois faziam uma caminhada matinal pelas quadras onde moram deputados na capital federal.
Ao vê-lo se aproximar, o tucano logo brincou:
— Como é, presidente, preparado?
Maranhão, ainda sob o impacto da visita do oficial de Justiça, se assustou.
— Não tem nada disso! — disse.
E saiu batido, apressando o passo.