Em encontro com Aécio e Armínio, Temer ouve que economista está fora de eventual novo governo

Por Renata Agostini

Armínio Fora No dia seguinte à votação do impeachment, Michel Temer jantou com Aécio Neves e Armínio Fraga. De acordo com peemedebistas, o vice ouviu que o economista não assumirá o Ministério da Fazenda, mas está disposto a auxiliar, de fora, um eventual novo governo. O PSDB seguirá o mesmo princípio: ajudará no que for preciso para tirar o PIB do chão, mas sem ocupar cargos. Se alguém no partido decidir integrar um ministério, terá de fazê-lo na cota pessoal de Temer.

Teu passado Parte da oposição já pensa nos baús que pode abrir com a chegada de Temer ao poder. Na Câmara, articula-se uma CPI para investigar convênios da CUT com o governo federal.

Foco, força e fé No domingo, ainda no Alvorada, um petista tocou no tema “Diretas Já”. Lula foi enfático: o centro da estratégia tem de ser a defesa de Dilma no Senado.

Um por vez Em seguida, conforme um aliado: “Ou defendemos o mandato dela entre os senadores ou uma nova eleição”.

Despedida Dilma acompanhava a votação do impeachment pela TV quando, em dado momento, um deputado que votava naquele instante olhou para a câmera e soltou um “tchau, querida”.

Entrei na onda Ato contínuo, Dilma rebateu, fazendo ministros e políticos caírem na risada: “Tchau, amor”.

Mapa da mina A cúpula do Planalto está decepcionada com Gilberto Kassab. Dizem que o ex-ministro se mostrava sempre interessado nas planilhas de cargos para saber “quem está conosco” e que usou dados para virar votos contra o governo.

Muy amigo Mauricio Macri, presidente da Argentina, telefonou a Dilma para prestar solidariedade. Disse torcer para que a crise acabe logo.

juca

Nosso FMI O senador Romero Jucá (RR), conhecido pela predileção por temas econômicos, ganhou um apelido dos colegas: “economista-chefe do board” do PMDB.

De olho O PRB, que ocupava o Ministério do Esporte e abandonou a base de Dilma, espera voltar logo à Esplanada. Aliados de Temer prometeram à sigla uma participação “expressiva” em um novo governo. Todos os 22 deputados votaram sim no domingo.

Recuo O PSDB vai explorar a entrevista de Delcídio do Amaral à “Piauí” como prova de que as acusações ao senador Aécio Neves são apenas espuma. O delator da Lava Jato disse à revista que o tucano “está na “berlinda por denúncias feitas na base de ouvir falar”.

Integrantes do Conselho de Ética estão surpresos com a demora da Procuradoria-Geral da República em enviar documentos sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha. O Ministério Público disse que topa compartilhar. Mas, até agora, nada. O BC já enviou o que tinha.

Tela quente Os lobistas Fernando Soares, o Baiano, e João Augusto Henriques, ambos presos pela Lava Jato, confirmaram depoimentos ao Conselho de Ética no caso do presidente da Câmara. Prometeram falar na semana que vem aos parlamentares.

Bombando geral Mais de 150 mil pessoas assistiram ao vivo à votação na Câmara pelo YouTube. A íntegra da sessão, que segue no ar, já foi vista 2,8 milhões de vezes.

Ministro abaixo Servidores do Postalis afirmam que a ingerência política no fundo, que sofreu um rombo bilionário, avança. Um exemplo seria troca recente na gerência de Aplicações, uma indicação do PDT do Rio. O Postalis diz que a escolha foi técnica.

Lento e caro A CNI afirma que os portos de Santos e do Rio Grande estão dificultando o já moroso processo de desembaraço de bens para exportação. A entidade também alerta para a cobrança de taxas indevidas das empresas.


TIROTEIO

Apostar que um eventual governo Temer vai nomear por meritocracia e apoiar a Lava Jato é o mesmo que crer na inocência de Cunha.

DE SILVIO COSTA (PT do B-PE), que integrou a articulação do governo contra o impeachment na Câmara, sobre uma eventual gestão do vice Michel Temer.


CONTRAPONTO

Nada à minha altura

A festa de um deputado da oposição para comemorar a votação do impeachment já chegava ao fim. Dois parlamentares tomavam a saideira, relembrando momentos da sessão decisiva, quando um comentou:
— Tudo muito bacana. Mas que foi golpe…. Ah, foi golpe, hein? — afirmou, às gargalhadas.
O colega reagiu, acusando-o de não ter lido sobre as pedaladas. E ameaçou delatá-lo a Michel Temer.
— Você vai ficar é sem ministério! — disse, aos risos.
Ao que o deputado rebateu:
— Não tenho espaço no governo mesmo… A pasta que quero não existe. Queria o Ministério da Perseguição!