Peemedebistas a favor do desembarque pressionam diretórios estaduais a deixarem cargos no governo

Por Painel

Pressão para sair Além de Santa Catarina, que já fechou posição a favor do desembarque do governo, outros diretórios do PMDB se preparam para abandonar cargos na Esplanada. O comando do partido no Rio Grande do Sul se reunirá no início da semana que vem para fazer um lista de postos ocupados. Quer entregar todos. Os defensores do rompimento com Dilma tentam fazer com que pelo menos oito Estados abandonem os cargos antes da decisão do Diretório Nacional, prevista para abril.

Valendo! Eduardo Cunha avisou aos líderes partidários na Câmara que convocará reunião exatamente 30 minutos depois de encerrada a sessão do Supremo Tribunal Federal que deve definir, nesta quarta (16), o rito para o impeachment.

Calma, cocada Partidos estão receosos com a formação da comissão do impeachment. Há deputados que foram indicados, mas mudaram de sigla na janela partidária. Começa um movimento para que Cunha segure até segunda o prazo para indicações.

In Lula, we trust O Planalto aposta que a capacidade de Lula de segurar a base do governo no Congresso compensará a desconfiança do mercado com uma eventual mudança na política econômica.

Haja confiança Um palaciano afirma que o ex-presidente fará uma espécie de “frila” para o governo. “Ele virá prestar um serviço. Segurar o Congresso. Depois, seguiremos”.

Vai achando Já um observador privilegiado do PT é cético quanto à decisão de Dilma de entregar o comando do governo nas mãos de Lula: “Ela se acostumou a ser rainha de Copas, não rainha da Inglaterra. Vai dar confusão”.

Só pensa naquilo Líderes de partidos da base disseram que a reunião semanal com Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) foi monotemática: só se falou de impeachment. Sobre a volta de Lula, ele logo cortou: “Muda toda hora. Ontem era uma coisa. Hoje, outra!”.

Para que isso? Tucanos de peso no Congresso criticaram o aceno do senador Aécio Neves (PSDB-MG) ao semipresidencialismo. “Dilma está em xeque, não o sistema de governo. Não podemos entrar nessa e ajudar a mudar o foco”, critica um correligionário.

Agrado oficial Em delação, Delcídio do Amaral disse que Aécio, então governador de Minas, ofereceu o avião oficial para levá-lo ao Rio. A informação confere. A viagem ocorreu no dia 7 de junho de 2006, segundo resposta do governo local à coluna.

Conte outra A versão de Aloizio Mercadante de que queria apenas liderar uma articulação no Senado para impedir a prisão de Delcídio não colou. “Logo ele, que tem um trânsito tão grande com o Renan”, ironizou um peemedebista. Os dois não se bicam.

balitas

Regalito No final da gravação que registrou a conversa com Mercadante, o assessor Eduardo Marzagão pede pra levar um punhado de balinhas que estavam sobre a mesa do ministro. Queria levar a guloseima para o chefe preso.

Não está bom Integrantes da Polícia Federal estão preocupados com a nomeação de Eugênio Aragão para o Ministério da Justiça. Não confiam no ministro.

Encorpando? A Frente Brasil Popular, que reúne movimentos sociais, centrais sindicais e partidos de esquerda, diz que há atos confirmados para sexta (18) em mais de 40 cidades. As manifestações serão uma resposta aos protestos de domingo.

Ajuda O pacote de ajuda às cidades paulistas atingidas pelas chuvas será definido nesta quarta. Contará com a transferência de recursos. Mas a maior parte da ajuda virá de ações do governo estadual, como a remoção de pessoas de áreas de risco.


TIROTEIO

Para ter foro privilegiado, a presidente tem de dar um ministério. E para ministro não ser preso? Deve ter de dar a embaixada na Suíça!

DO DEPUTADO BRUNO COVAS (PSDB-SP), sobre a oferta a Lula de posto no governo e a citação de Aloizio Mercadante na delação de Delcídio do Amaral


 

CONTRAPONTO

Bercinho vermelho

A deputada estadual Manuela D’Ávila (PC do B-RS) levou sua bebê para que os colegas do Congresso pudessem conhecer. Ronaldo Caiado (DEM-GO) logo se encantou com a menina. Com ela no colo, perguntou:
— Ela é comunista já?
Manuela achou graça, mas rebateu:
— Ela é democrata. A favor da legalidade!
A colega Vanessa Grazziotin (PC do B-SC) aproximou-se neste momento e alfinetou:
— Não acredito que você já está no colo dele, fofura!
Caiado caiu no riso e não se fez de rogado:
— Essa eu já converti!