Investigadores temem que opinião pública absorva ideia de que houve abuso de poder contra Lula

Por Painel

Déjà vu A reação virulenta de apoiadores de Lula à condução coercitiva do ex-presidente deixou investigadores da Lava Jato preocupados com a possibilidade de colar na opinião pública a imagem de que houve abuso de poder pela força tarefa. Juridicamente, se dizem seguros. Um integrante lembra, contudo, que o argumento de abuso de poder foi usado para atacar a Operação Mãos Limpas, na Itália, conforme as investigações avançaram na cadeia de comando do esquema.

Só com ela Para a força-tarefa do MP, o apoio da opinião pública é fundamental para que a operação provoque mudanças estruturais e as punições ocorram.

Preparação Em estudo, a realização de um seminário em SP neste mês com a presença de autoridades italianas que participaram da Mãos Limpas para expor o que ocorreu por lá durante e depois das investigações.

De volta à pauta Aliados de Michel Temer dizem já não ser possível afastar o debate sobre um eventual distanciamento do governo, durante a convenção do PMDB, no próximo fim de semana.

Salvemo-nos Interlocutores do vice lembram que a maior característica da sigla não é o governismo, mas o instinto de sobrevivência. Um rompimento formal, porém, ainda não está na mesa.

Vamos conversar Senadores da oposição irão se reunir na terça (8) para discutir uma posição sobre Delcídio do Amaral. A tendência é que fechem posição a favor de sua cassação.

Vigília O Instituto Lula se preparava há dias para uma batida policial. Funcionários e advogados passaram a se revezar para chegar mais cedo, por volta das 5h da manhã, no local.

japa

Estrelato Newton Ishii, o japonês da federal, estava de férias, mas teve uma sexta agitada. De dia, fugiu de fãs na padaria. De noite, se surpreendeu ao saber que sua conta do jantar havia sido paga por admiradores.

Anarriê Dilma será temporariamente poupada por parte dos movimentos sociais, que ameaçavam radicalizar o discurso contra o governo. “As críticas ficarão em stand-by. A conjuntura nos reposicionou”, diz Raimundo Bonfim, da CMP.

Amostra A Frente Brasil Popular, que reúne mais de 60 movimentos, incluindo a CMP, contabilizou atos pró-Lula em 1.210 cidades na sexta (4). O esforço agora é repetir o feito nos dias 8, 18 e 31 deste mês, quando ocorrerão novas manifestações.

Reforço Enquanto corriam atos de apoio a Lula, pessoas entravam na portaria da sede do PT em SP e perguntavam como se filiar ao partido. A maior parte chegava acompanhada por militantes.

Seletivos A ordem no PRB é manter a cautela frente ao noticiário. Na semana passada, deputados da sigla afirmaram à Dilma que seguem na base de apoio, mas de forma seletiva. Dificilmente embarcariam, por exemplo, na CPMF.

Ou vai ou racha O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, enviou mensagem aos servidores na sexta (4) dizendo que “não há proposta alternativa” para a negociação salarial, que se arrasta há meses. Segundo ele, há “iminente risco de paralisação total das tratativas”.

Susto Servidores da Receita dizem que muitos colocaram o “pé no chão” diante dos últimos acontecimentos, mas ainda há dúvida se a proposta será aceita. O Ministério do Planejamento aguarda resposta na quarta (9).

Vai aparecer Um dos maiores banqueiros do país tem repetido que não tardará para que os problemas financeiros dos bancos apareçam. As instituições estão tendo de fazer provisionamentos bilionários para cobrir futuros prejuízos.


TIROTEIO

Em homenagem à parte da oposição, vou sugerir à presidente que, dá próxima vez que queira visitar Lula, viaje de jumento. 

DO DEPUTADO SILVIO COSTA (PT do B-PE), sobre o pedido do DEM para que Dilma Rousseff devolva os gastos com a viagem de avião a São Paulo.


 

CONTRAPONTO

Bom dia por que?

Kim Kataguiri, 20, coordenador do Movimento Brasil Livre, fez provas para estudar no IDP (Instituto de Direto Público), faculdade coordenada pelo ministro do STF Gilmar Mendes. O jovem largara o curso de economia para se dedicar aos atos a favor do impeachment de Dilma.
Passou com louvor, em segundo lugar entre os candidatos. Ao contar a notícia em casa, ouviu de seu pai:
— Devia ter passado em primeiro…
Amigos de Kim, ao saber do episódio, gargalhavam, mas se diziam incrédulos.
— Não tem jeito, eles não acreditam quando digo que ele é assim! — diverte-se.